quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Scott Elliott – “O Mapa do Mundo” / “A Map of the World”


Scott Elliott – “O Mapa do Mundo” / “A Map of the World”
(EUA – 1999) – (125 min. / Cor)
Sigourney Weaver, Julianne Moore, Chloe Sevigny.

Antes de falar do filme, gostaria de contar a forma como o “descobri”, já lá vão uns anos. Tudo começou quando encontrei um cd do Pat Metheny intitulado “A Map of the World” e depois de escutar algumas faixas não resisti a trazê-lo para casa. Quando o estava a pagar, a pessoa da discoteca perguntou-me se também tinha visto o filme no dia anterior na televisão, respondi que não e quando cheguei a casa compreendi as imagens que acompanhavam o cd através da música do Pat Metheny. Dois ou três anos depois descobri o dvd, mas resisti devido àquele princípio de não comprar dvds cujos filmes não conheço. Dois anos depois o filme foi reposto no grande écran e acabei por ter uma agradável surpresa.


Até hoje nunca vi um mau filme interpretado por Julianne Moore ou Sigourney Weaver (*) e no entanto o nome de Scott Elliott era perfeitamente desconhecido, mas como as surpresas do cinema independente são sempre tantas e por ali andava mais uma vez a Chloe Sevigny a “menina querida” dos "indies" (com a qual não simpatizo), mas o que interessa aqui é a surpresa que tive ao descobrir esta história passada naquele território, único, intitulado a América profunda, por onde já andei e onde poderemos sempre encontrar o melhor e por vezes se pode também esperar o pior se não cumprirmos “as regras da casa”.



Alice Goodwin (Sigourney Weaver) foi uma das muitas americanas que trocou a cidade pelo campo, quando o marido decidiu ser agricultor, tendo encontrado um emprego como enfermeira na escola da "little town", mas a sua relação com as crianças por vezes era difícil, quando já tinha em casa duas crianças pequenas para tratar e um marido indisponível para a ajudar. Por vezes há crianças que criam afectos pouco amistosos com determinados adultos e o filho de Carole Mackeny (Chloe Sevigny) era um exemplo do que referimos. Mas Alice tinha, na sua vizinha Theresa (Julianne Moore), a sua melhor amiga, até que um dia o mundo desabou no pequeno mapa de Alice (Sigourney Weaver).


Alice e Theresa tinham ambas crianças e num dos dias em que a filha mais nova de Theresa ficou com Alice, esta não se apercebeu que ela tinha saído da sala e dirigido para o lago, onde encontrou a morte. A amizade que unia as duas mulheres sucumbiu perante a perda da criança e inicia-se uma hostilização silenciosa de toda a população em relação a Alice, até que o pior acaba por surgir quando Carole acusa a enfermeira de maus-tratos ao filho, insinuando relações mais profundas. O drama está instalado e dizemos drama porque aqui não há lugar para o melodrama, mas sim para a complexidade das relações. Ficamos por aqui na sinopse, porque não queremos desvendar a totalidade da história, apenas motivar a visão do filme.


A forma como os actores vão interpretando as suas personagens é perfeitamente deslumbrante, seja a Sigourney Weaver ou a Julianne Moore, mas também o então pouco conhecido David Strathaim (um extraordinário actor que se revelou ao mundo cinematográfico com a sua interpretação em “Good Night and Good Luck” / “Boa Noite e Boa Sorte”, realizado por George Clooney, tendo sido candidato ao Oscar para o Melhor Actor Principal), um homem do Teatro, mas também da Televisão. E depois há a música de Pat Metheny perfeitamente envolvente, com uma guitarra acústica que sussurra, chora, ama e nos convida a seguir o calvário de Alice Goodwin.



Para terminar, duas pequenas notas: a presença de Louise Fletcher interpretando a figura de Nellie Goodwin e para aqueles de fraca memória, recordamos que ela era a enfermeira-chefe em “Voando Sobre Um Ninho de Cucos”; a produção do filme “A Map of the World” foi entregue a Kathleen Kennedy, a produtora habitual de Steven Spielberg.

Pat Metheny - "A Map of the World"

Alguns estarão a perguntar neste momento, o que é “O Mapa do Mundo”?
Uma Metáfora? Vejam este belo filme, porque o cinema foi criado para contar histórias como esta ou outras idênticas, como “O Rio” / “The River” de Mark Rydell ou “Vidas Privadas” / “In the Bedroom” de Todd Field. “O Mapa do Mundo” / “The Map of the World” de Scott Elliot merece ser descoberto por todos!!!

O cineasta Scott Elliott.

(*) – Sigourney Weaver foi indigitada pela sua interpretação nesta película para o Globo de Ouro, como Melhor Actriz Dramática em 2000.

Nota: Este filme está disponível em dvd no nosso país e tem sido exibido no pequeno écran em diversos canais e bem merece ser descoberto!

2 comentários:

  1. Um grande filme, com a mais bela banda sonora que já ouvi!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos perante a mais bela banda sonora de Pat Metheny e depois o filme é fabuloso!
      Beijinhos!

      Eliminar