sábado, 5 de agosto de 2017

Julien Temple – “Absolutamente Principiantes” / “Absolute Beginners”


Julien Temple – “Absolutamente Principiantes” / “Absolute Beginners”
(Inglaterra - 1986) – (108 min, / Cor)
Patsy Kensit, Eddie O’Connell, David Bowie, James Fox, Ray Davies.

Julien Temple estreou-se nas longas-metragens com "The Great Rock'n'Roll Swindle", tendo por base a vida/história dos Sex Pistols e pretendeu, na segunda viagem que encetou na Sétima Arte, construir um musical, baseado na novela de Colin MacInnes, onde a memória da Broadway e dos seus filmes se integrassem plenamente.


A Londres de 1958 e o seu Verão explosivo, com as revoltas juvenis em busca de uma juventude eterna e a história/romance do fotógrafo Collin e da modelo Suzette, são o tema de "Absolute Beginners" / “Absolutamente Principiantes”. No entanto, a presença de David Bowie, Sade ou Ray Davies, não conseguem tirar o filme do "limbo" cinematográfico. O que encontramos é uma manta de retalhos, onde a beleza de algumas sequências acaba sempre por ser aniquilada pelo raccord deficiente, que se vai desenvolvendo perante o nosso olhar, assim como a excessiva narração dos acontecimentos, demonstrando algumas dificuldades encontradas pelo realizador em adaptar o livro de Colin MacInnes.


Julian Temple, seguindo os passos dos grandes coreógrafos de Hollywood e tentando conjugar a estética dos video-clips, na qual é mestre, acaba por se afogar nas águas do Tamisa, já que o tão citado Jerome Robbins e o seu "West Side Story" / "Amor Sem Barreiras" estão felizmente a anos-luz desta película. Curiosamente, algumas sequências musicais que nos são oferecidas ao longo de "Absolute Beginners", vistas isoladamente, acabam por obter uma força e qualidade estética, que simplesmente morrem, quando dadas a ver no contexto da película.


Julien Temple afigura-se-nos, com esta obra, um excelente piloto de fórmula 1, que acelera nas curvas e perde velocidade nas rectas, perdendo evidentemente a corrida. A estética dos video-clips no cinema...não funciona como essas fabulosas coreografias que Busby Berkeley, Gene Kelly ou Vincent Minelli criaram e que nos continuam a encantar perdidamente.



"Absolute Beginners" / “Absolutamente Principiantes” é a prova que a estética dos "video-clips" nunca poderá ser transposta para o cinema como um todo, já que ela funciona como complemento da narrativa cinematográfica, como sucede com o fabuloso filme de Walter Hill, “Street of Fire” / “Estrada de Fogo”,  mas não resulta como elemento preponderante e fundamental da obra fílmica, ou seja, um video-clip com duração equivalente ao tempo standard da longa-metragem, nunca será possível, com a qualidade exigida a uma obra cinematográfica, seja ela uma adaptação de um musical da Broadway ou um musical saído directamente dos Estúdios de Cinema. No entanto, o filme de Julian Temple acaba por se transformar numa obra para se escutar, devido à escaldante e maravilhosa música de Gil Evans, e muitos dirão "então vou optar pelo cd" e aí dizemos optem pelo dvd e vejam as sequências musicais de uma forma independente, através da selecção de capítulos e irão descobrir toda a magia e sabedoria de um Mestre do video-clip chamado Julien Temple.

Sem comentários:

Enviar um comentário