domingo, 16 de julho de 2017

Ryan Murphy – “Recortes da Minha Vida” / “Runing With Scissors”



Ryan Murphy – “Recortes da Minha Vida” / “Runing With Scissors”
(EUA – 2006) – (116 min. / Cor)
Annette Bening, Brian Cox, Alec Baldwin, Joseph Fiennes, Even Rachel Wood, Joseph Cross, Jill Clayburgh, Gwyneth Paltrow.

Todos sabemos que Annette Bening gosta de projectos arriscados, onde é hábito arrancar grandes interpretações, como sucedeu com “American Beauty” / “Beleza Americana”. Desta vez ela decidiu dar corpo e voz a Deirdre Burroughs, numa espantosa interpretação, tendo recebido um globo de ouro pelo seu desempenho em “Runing With Scissors” / “Recortes da Minha Vida”, baseado na história verídica de Augusten Burroughs. Recorde-se que este romance choque, publicado em 2002 nos Estados Unidos, se transformou rapidamente num “best-seller”. E seria o realizador da série “Nip Tuck”, o responsável pela sua transposição para o cinema.


Iremos assim encontrar um dos filmes choque desse ano de 2006, em que Ryan Murphy optou por nos oferecer uma comédia demasiado negra, explorando sempre os pontos mais sórdidos e mórbidos do romance escrito por Augusten, aqui interpretado por Joseph Cross. Basta olhar para o elenco para sabermos que este filme tudo possuía para ser um sucesso, mas as opções do cineasta, sempre em busca do abismo, terminam por nos oferecer uma película em que a dor humana e a loucura prevalecem sobre os sentimentos.


Deirdre Burroughs (Annette Bening) é uma poetisa em busca do sucesso que lhe escapa, sendo o seu filho de sete anos, Augusten, o seu maior fan, enquanto o seu marido Norman (Alec Baldwin) se vai refugiando no álcool para esquecer o casamento de que é um simples habitante. Cinco anos depois decidem consultar o Dr. Finch, um psiquiatra conhecido pelos seus métodos modernos e revolucionários, para os ajudar a ultrapassar a sua crise matrimonial. Mas o Dr. Finch (Brian Cox), que inicialmente os recebe no seu consultório, passa as consultas para a sua mansão victoriana (devido a problemas com o fisco), ficando assim o jovem Augusten a conhecer a disfuncional família do psiquiatra, terminando por encontrar em Natalie Finch (Evan Rachel Woods), a filha mais nova do psiquiatra, a sua companheira de aventuras, enquanto a filha mais velha Hope (Gwyneth Paltrow) é já o espelho perfeito do pai. Augusten acompanha a mãe até às consultas, descobrindo estupefacto que naquela casa a loucura é um habitante permanente.


Mas o pior ainda estava para vir e quando descobre que os pais se decidiram divorciar, percebe o rumo que a sua vida irá tomar, embora não desconfie que ele irá ultrapassar todos os limites da sua imaginação. Deirdre decide nomear o Dr. Finch como tutor do filho e partir em busca da felicidade que nunca será encontrada, tal como o sucesso que tanto deseja. E será a esposa do Dr. Finch (uma interpretação excelente de Jill Clayburgh), essa mulher eternamente subjugada por todos, a oferecer a Augusten a saída/fuga daquele manicómio.



Ryan Murphy, ao optar pela descrição dos pormenores mais sórdidos dos anos passados por Augusten na casa do Dr. Finch (recorde-se que estamos perante um caso verídico), ultrapassa muitas vezes os limites da comédia negra, criando por vezes situações penosas de assistir, não conseguindo nunca entrar nesse universo perfeito da comédia negra que um dia nos foi oferecido por Wes Anderson em “The Royal Tenenbaums”, apesar deste “Recortes da Minha Vida” também possuir um elenco de luxo.


Nunca estreado em Portugal no grande écran, este “Runing With Scissors” surgiu directamente em dvd, com alguns extras bastante elucidativos e onde nos é oferecida uma entrevista com o próprio Augusten Burroughs, que nos relata a sua visão da transposição para o cinema deste filme baseado na sua obra autobiográfica.


“Recortes da Minha Vida” surge assim como mais um filme em que Annette Bening nos oferece uma excelente interpretação à beira do abismo, no verdadeiro sentido da palavra, demonstrando não possuir medo de interpretar personagens transgressoras. 

Sem comentários:

Enviar um comentário