terça-feira, 16 de maio de 2017

Martin Scorsese – “Casino”


Martin Scorsese – “Casino”
(EUA – 1995) – (178 min. / Cor)
Robert de Niro, Sharon Stone, Joe Pesci, James Woods, Frank Vincent.

Las Vegas é a capital mundial do jogo e como muitos devem estar recordados foi um gangster, o célebre e visionário Bugsy com o seu “Flamingo”, que fez daquele deserto uma das cidades mais prósperas da América, embora não tenha vivido para ver o seu sucesso. E desde muito cedo os célebres negócios da Máfia passaram por Las Vegas e as suas casas de jogo. Como não podia deixar de ser quando Nicholas Pillegi publicou o seu livro sobre esses tempos, após ter escutado diversos relatos de intervenientes, que lhe relataram as suas memórias desses tempos, o cineasta Martin Scorsese decidiu levar ao grande écran o seu olhar sobre a Las Vegas dessa época.


“Casino” irá assim contar-nos a história de Sam “Ace” Rothstein (Robert de Niro, mais uma vez em parceria com o cineasta), o narrador de “Casino”, baseando-se a sua figura em Frank “Lefty” Rosenthal, um corretor de apostas de Chicago cujo sucesso irá atrair a Máfia, que o convida a estabelecer-se em Las Vegas no início dos anos setenta para gerir o Tangiers Casino.
Mais uma vez Martin Scorsese irá usar em “Casino” um tipo de narração idêntico ao usado em “Tudo Bons Rapazes” / “Goodfellas” , terminando por utilizar em demasia a voz-off no desenrolar dos acontecimentos que nos retratam a vida de Sam “Ace” Rothstein, que um dia irá descobrir nos monitores do Casino uma mulher chamada Ginger Mckenna (Sharon Stone, que não foi a primeira escolha do cineasta) e que não passa de uma “call girl” que vive com o perigoso Lester Diamond (James Woods), terminando Sam (Robert de Niro) por a conquistar, mas quando ele lhe propõe casamento ela recusa, porém o dinheiro tudo compra e ela não passa de uma “call girl”, que não irá resistir às prendas recebidas, terminando por aceitar a proposta de casamento, ao mesmo tempo que começa a beber e as discussões entre ambos regadas a álcool irão tornar a vida de sucesso de Sam “Ace” Rothstein num inferno. Mas nem só de um matrimónio agitado irá viver Sam, porque o seu amigo de infância Nicky Santoro (Joe Pesci), um perigoso ladrão e assassino decide trabalhar com ele, ao mesmo tempo que não irá resistir ao apelo da droga que então começava a navegar pelas ruas à vista desarmada.


Em “Casino”, Martin Scorsese oferece-nos mais uma vez um filme inesquecível, veja-se a forma como ele nos retrata a capital do jogo, com os seus travellings intensos e uma montagem soberba, cativando o espectador de imediato. Por outro lado o cineasta ao optar por nos dar, logo no inicio, um Robert de Niro a ir com o seu carro pelos ares, faz-nos perceber de imediato estarmos perante um daqueles flashbacks condutores da história do protagonista em que iremos assistir, mais uma vez, a uma excelente interpretação de Robert de Niro, na história da ascensão e queda de um homem vulgar, vitima do amor, que descurou os negócios para que fora contratado pela Máfia.

Embora “Casino” não seja uma das obras-primas de Martin Scorsese, a película mantém toda a frescura da estreia, sendo possível descobrir nela o universo de autor do cineasta.

2 comentários:

  1. Não foi efectivamente dos filmes que mais gostei do magnífico Scorcese.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho que confessar que a voz-off no filme "Casino" incomoda-me um pouco e o mesmo já sucedia com o "Goodfellas".
      Um abraço!

      Eliminar