sexta-feira, 5 de maio de 2017

Brian De Palma – “Testemunha de Um Crime” / “Body Double”


Brian De Palma – “Testemunha de Um Crime” / “Body Double”
(EUA - 1984) – (114 min. / Cor)
Craig Wasson, Melanie Griffith, Greg Henry, Deborah Shelton.


Brian de Palma tem assumido ao longo de toda a sua obra a herança de Alfred Hitchcock, sendo as referências ao Mestre uma constante nos seus filmes, “Body Double” / ”Testemunha de Um Crime” é, acima de tudo, a memória do cinema.


“Testemunha de Um Crime” encontra-se situado no interior do Cinema, instituindo o realizador um jogo de enganos permanentes com o espectador, género “piscadela de olho”. Jack Scully (Graig Wasson, o anti-herói de “Four Friends” / ”Quatro Amigos” de Arthur Penn) é um actor de filmes de Série-B (género Roger Corman), trabalhando num filme de vampiros, mas sofre de claustrofobia e uma das cenas tem que ser interrompida (recorde-se que em “Vertigo” de Alfred Hitchcock, Scottie/James Stewart sofre de vertigens). Regressando a casa, Jack Scully descobre a sua namorada com outro, mas a casa é dela e quem parte é ele. Como um mal nunca vem só, é também substituído no filme.


Em Hollywood quase todos se conhecem, embora seja impossível conhecer todos e Scully acaba por se cruzar com Sam Bouchard (Greg Henry), um outro actor que lhe oferece a casa de um amigo, situada numa das célebres colinas de Los Angeles, ensinando-lhe o ofício de “voyeur” (a referência é inevitavelmente “Janela Indiscreta” de Hitchcock). O alvo é uma casa próxima, onde a proprietária encena todas as noites um espectáculo erótico de forma solitária.


Glória Ravelle (Deborah Shelton… maravilhosa!!!) é o nome da imagem possuída por Jake, ao longo das noites, o qual, ao descobrir um dia que ela é seguida, decide proteger a futura vítima de um assassino macabro. Mas a sua acção é infrutífera, terminando por presenciar “impotente” a sua morte, tornando-se testemunha de um crime, ao mesmo tempo que irá servir de álibi ao misterioso e desconhecido Alexander Ravelle, o marido de Gloria. Inevitavelmente a angústia e o desespero terminam por se abater sobre ele.
Mas um dia Jake Scully, depois de ter caído no abismo e ter encontrado a bela Holly irá descobrir que Sam Bouchard e Alexander Ravelle e, posteriormente, o índio (o assassino que ele viu) são todos a mesma pessoa ou não estivéssemos nós em Hollywood.


No filme “Janela Indiscreta” / "Rear Window" Jeffries conquista Lisa, já em “Testemunha de Um Crime”, Jake recupera o seu lugar de vampiro no filme que se encontrava a rodar o início da película, enquanto Holly (Melanie Griffith) acompanha as filmagens e não nos esqueçamos que Holly só trabalha com homens!!!!
Embora os puristas continuem a menosprezar Brian de Palma, não nos esqueçamos que tanto em “Vestida Para Matar” / "Dressed to Kill", como em “Testemunha de Um Crime” / "Body Double" ou nessa magnifica estratégia da aranha do cineasta intitulada “Mulher Fatal” / "Femme Fatale", em todos eles o cineasta volta a assumir a herança do Mestre do Suspense como memória do cinema, criando a (im)possibilidade do “remake”.

Sem comentários:

Enviar um comentário