sábado, 29 de abril de 2017

Philippe Sollers - "Mouvement"


Philippe Sollers
“Mouvement”
Gallimard/NRF, Pag.230

O meu “encontro” com Philippe Sollers deu-se num desses espaços comerciais que tenho por hábito frequentar, navegando na maioria das vezes na denominada zona de livraria, onde gosto de coscuvilhar as prateleiras, fugindo dos livros em destaque que se encontram nas bancadas e como tenho sempre uma certa atracção pelos livros de poche, nesse dia o título “Femmes” chamou-me a curiosidade, mal sabia eu que estava perante a mais famosa obra literária de Philippe Sollers e depois havia “Les demoiselles d’Avignon” de Pablo Picasso a dar rosto à capa do “poche da Folio” e após me ter encostado a uma das bancadas comecei a ler, e li e li, não dei pela passagem do tempo e regressei a casa a ler sempre que possível e em menos de uma semana devorei as cerca de 700 páginas do romance, ao mesmo tempo que através deste universo maravilhoso que é a rede/net investigava sobre o escritor. Tudo isto se passou à meia-dúzia de anos e desde então já li 22 livros de Philippe Sollers e sempre que vou a Paris (uma vez por ano, nos últimos 13), venho sempre com mais alguns livros deste escritor.


“Mouvement”, datado de 2016, foi o livro que terminei de ler hoje e mais uma vez fiquei fascinado com o que li, porque me encontrei perante uma bela análise ao estado do mundo em que vivemos, na habitual fórmula de Sollers em que se navega através dos mais diversos temas como se estivéssemos numa Biblioteca em que, carregados de livros, vamos “saltando” entre as páginas e os autores, construindo o romance contemporâneo e aqui vos convido para irem a uma livraria e lerem o que escreve Philippe Sollers na página 193 desta edição e que começa com “La bibliothèque…”, não digo mais porque prefiro que leiam directamente do magnifico “Mouvement” de Philippe Sollers J
Este belo e inesquecível livro foi adquirido na loja da Gibert Joseph em Saint-Germain-en-Laye, em “ocasion” pelo belo preço de 4 euros, novo custava 19 euros e estavam ambos um ao lado do outro, esta é uma das razões porque adoro esta cadeia francesa de bens culturais (*).

Mas como é habitual nestas crónicas vou oferecer-vos algumas palavras do autor para vos abrir o desejo de o lerem e nada melhor do que vos deixar a visão de Philippe Sollers sobre o conteúdo de “Mouvement”:
»L’homme de Lascaux était un artiste de génie, la Bible est toujours vivante, la Revolution francaise s’approfondit, Hegel continue trés étrangement d’exister, les galaxies fuient à toute allure, les marchés financiers délirent, le terrorisme fait rage, la pensée et lá poesie chinoises n’ont jamais été aussi passionantes, les dieux grecs ne demandent qu’à vous parler, une sérénité incroyable peut être trouvé.»

(*) – Nunca é demais referir que em França, um ano após a edição de um “bouquin” como eles gostam de chamar aos books/livros, surge quase sempre a edição de poche/bolso, sempre muito mais acessível, mas quando há em “ocasion”/segunda mão na Gibert Joseph nunca se deve hesitar!

4 comentários:

  1. Infelizmente não conheço o autor.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena descobrir a obra literária de Philippe Sollers, em português tem editado o livro "A Estrela dos Amantes" pela Teorema.
      Bom fim-de-semana!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Um escritor genial, que continua muito ausente neste país à beira-mar plantado!
      Bom domingo!

      Eliminar