sábado, 25 de março de 2017

Robert Benton – “Na Calada da Noite” / “Still of the Night”


Robert Benton – “Na Calada da Noite” / “Still of the Night”
(EUA – 1982) – (93 min. / Cor)
Roy Scheider, Meryl Streep, Jessica Tandy, Josep Sommer, Joe Grifash.

Quando Robert Benton realizou “Na Calada da Noite” / “Still of the Night”, já o seu nome tinha sido fixado pelo cinéfilo que assistira à noite dos Oscars em que “Kramer Contra Kramer” / “Kramer versus Kramer” tinha saído vencedor. Muitos não gostaram de ver o filme protagonizado por Meryl Streep e Dustin Hoffman levar cinco Oscars para casa, enquanto “Apocalipse Now” de Francis Coppola ficou com apenas duas estatuetas (fotografia e som). O filme de Robert Benton recebeu os prémios de melhor filme, realizador, argumento, actor e actriz secundária. Talvez seja esta a verdadeira razão porque nunca ninguém se interessou verdadeiramente pela obra cinematográfica de Robert Benton.


Se olharmos para a sua filmografia, reparamos que ele é um daqueles artesãos da história do cinema que possuem meia-dúzia de linhas nos dicionários. Porém ele merece um pouco mais, primeiro como grande director de actores, oito actores diferentes foram nomeados para os Oscars em filmes seus, depois a memória do cinema anda sempre um pouco presente nas suas películas, “The Late Show”, a sua segunda obra com Art Carney e Lily Tomlin, é uma homenagem ao “film noir”. “Na Calada da Noite” / "Still of the Night" respira Hitchcock em cada fotograma, “Um Lugar no Coração” / “Places in the Heart” surge como homenagem ao cinema clássico, “Billy Bathgate” a película que revelou Nicole Kidman na América é um duro e sóbrio filme de gangsters, assim como “Twilight” representa uma certa memória do policial, com esse trio de eleição constituído por Paul Newman, Susan Sarandon e Gene Hackman ou esse outro Paul Newman em “Vidas Simples” / “Nobody’s Foll”, um maravilhoso retrato da vida de uma “little town” e dos seus habitantes e por fim o fabuloso “The Human Stain”, uma excelente adaptação da obra de Philip Roth ao cinema, com interpretações extraordinárias de Anthony Hopkins, Nicole Kidman e Ed Harris, e nunca nos poderemos esquecer, neste filme, também desse narrador extraordinário chamado Gary Sinise (um dos actores da série de televisão C.S.I.), a vestir a pele do alter-ego do escritor norte-americano. Por tudo isto ele merece ser aqui recordado e o "thriller" “Na Calada da Noite” também.


Estamos assim em “Still of the Night” perante um daqueles "thrillers" em que sabemos desde o início que a vítima foi assassinada e o principal suspeito é a amante. E poderíamos estar perante mais um banal policial, mas nada disso acontece quando a amante Brooke Reynolds (Meryl Streep) entrega ao psiquiatra do homem assassinado o relógio esquecido por ele na sua cama, para o devolver à esposa, aquela loura frígida e distante, linda de morrer, fumando cigarros atrás de cigarros, possuindo uma aura misteriosa e perturbadora no seu interior. O psiquiatra de Manhattan Sam Rice (Roy Scheider no seu melhor), não resiste em querer saber mais. Ele, que até então levava uma vida apagada, refugiado no seu apartamento, sente-se impelido a seguir Brooke, demonstrando interesse em ajudá-la. Mas se para a polícia ela é a principal suspeita, já ele começa a tornar-se uma personagem incómoda para o verdadeiro assassino. Repare-se nessas duas sequências magistrais de suspense passadas no Central Park à noite e quando o psiquiatra desce a cave do prédio onde vive para lavar a roupa na máquina de lavar, só Nestor Almendros poderia captar aquela luminosidade nocturna.


“Na Calada Noite” possui excelentes interpretações e um argumento que nos agarra à cadeira ao longo do filme, depois é extremamente curiosa a forma como o psiquiatra se socorre da mãe, também ela psiquiatra, para estudar em conjunto a mente da mulher amada, pois é disso mesmo que se trata, ao mesmo tempo que a memória de Alfred Hitchcock paira ao longo filme, repare-se em toda a sequência passada durante o leilão e compare-se com esse outro leilão em “Intriga Internacional” / “North by Northwest” em que James Mason, Cary Grant, Eve Marie Saint e Martin Landau constituem o quarteto de luxo da famosa sequência.
Robert Benton oferece-nos aqui um dos seus melhores trabalhos, rever ou descobrir “Na Calada da Noite”/ “Still of the Night” é um momento gratificante, não só pelo trabalho dos actores, mas também por todos aqueles elementos constituintes de uma película perfeita. Sabemos que está datada dos anos oitenta, no entanto o seu "envelhecimento" é um verdadeiro rejuvenescimento, como um delicioso vinho do porto. “Na Calada da Noite” merece ser “bebido até à última gota”.

Sem comentários:

Enviar um comentário