sábado, 25 de março de 2017

Harold Budd - "The Serpent (in Quicksilver)"


Harold Budd
“The Serpent (in Quicksilver)”
Cantil Records / Land Records / All Saints

Harold Budd é um dos nomes incontornáveis da denominada musica ambiental e este Californiano, nascido em LA, mas que passou parte da infância perto do deserto de Mojave, na cidade de Victorville um local que convido que visitem ou atravessem o Death Valley, marcou decididamente este trabalho intitulado “The Serpent (in Quicksilver)” que, antes de ver a luz do dia no inicio dos anos oitenta do século xx, foi sendo composto e trabalhado em termos de produção pelo compositor em mais de uma dúzia de Estúdios, segundo ele próprio nos conta nas notas que acompanham este EP de apenas seis faixas, mas que se revela uma obra profundamente contemplativa e uma pérola musical, que convida o ouvinte a navegar por essas mesmas paragens, percorrendo o célebre deserto de Mojave, onde no cinema encontrámos Harry Dean Stanton (Paris/Texas) a vaguear “sem eira nem beira” ou esse Death Valley que também serviu de tema ao cineasta italiano Michelangelo Antonioni. Logo no início deste fabuloso trabalho discográfico, iremos encontrar Harold Budd acompanhado por Chas Smith na guitarra electrica em  “Afar” e de imediato sentimos o pulsar de “The Serpent (in Quicksilver), para depois nos quatro temas seguintes seguirmos o trajecto de Harold Budd a solo, tocando o habitual universo de instrumentos de tecla, que mais tarde irão ser trabalhados em Estúdio com as célebres misturas, criando a sua conhecida marca sonora e a fechar temos finalmente o tema que oferece o título a este trabalho discográfico, contando aqui o compositor com a colaboração de Eugene Bowen no baixo eléctrico e onde Harold Budd toca o então famoso Hammond Organ, para além do piano eléctrico. “The Serpent (in Quicksilver)”, para além da reedição feita pela editora All Saints, pode ser também encontrado numa edição discográfica da Land Records datada de 1989, na qual acompanha o trabalho “Abandoned Cities”, datado do mesmo período criativo deste famoso compositor norte-americano e sobre o qual já aqui escrevemos. Ao escutarmos os seis temas que constituem “The Serpent (in Quicksilver)” percebemos o significado da palavra avant-garde.

4 comentários:

  1. Nossa desconhecia desse compositor, li todo e muito contagiante e legal, continue assim Mister, que você vai longe. tenha um bom domingo abraços.

    Ass. NinTudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado NinTudo, posso adiantar que voltaremos a falar de Harold Budd (tem vários posts sobre ele no blog e voltaremos em breve a sua discografia), aproveito para adiantar que todas as semanas iremos abordar um tema específico. A partir de segunda-feira iremos conhecer o que sucede quando o jazz e a denominada musica erudita se encontram numa encruzilhada do universo musical:)
      Bom domingo!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Obrigado Walter Segundo pela sua visita e comentário, irei também conhecer o seu espaço de eleição.
      Bom domingo!

      Eliminar