sábado, 25 de fevereiro de 2017

Stewart Raffill – “A Experiência de Filadélfia” / “The Philadelphia Experiment”


Stewart Raffill – “A Experiência de Filadélfia” / “The Philadelphia Experiment”
(EUA 1984) – (102 min. / Cor)
Michael Paré, Nancy Allen, Eric Christmas, Bobby Di Cicco.

A década de sessenta do século xx foi uma verdadeira travessia do deserto do cinema americano, já que o cinema clássico viu a sua época dourada terminar com o nascimento da televisão por um lado e a "reforma" dos grandes cineastas, uns motivados pela sua idade avançada e outros porque o novo sistema não tinha lugar para eles.
Na Europa surgiam as novas vagas e uma nova geração emergiu na América, através dessa escola fantástica que era a televisão dessa época. Neste contexto nasceram os "movie-brats", essa gloriosa família do cinema americano, que iria criar o seu próprio universo e que durante três décadas deram as cartas em Hollywood, tendo ganho muitas das "partidas de poker" do cinema.


Francis Ford Coppola foi um dos primeiros a dar nas vistas, produzindo os dois primeiros filmes de George Lucas (*), numa época em que este último nem sonhava com “A Guerra das Estrelas” / "Star Wars", Mas nem só Coppola assumiu essa figura de produtor, porque muitos outros nomes dos "movie-brats" produziram filmes, como sucedeu com John Carpenter, revelando-se o principal responsável pela feitura de “Experiência de Filadélfia” / “The Philadelphia Experiment” de Stewart Raffill.



Oriundo da TV, por onde ainda anda, mas sempre com um olhar cinematográfico, Stewart Raffill iniciou a sua actividade no cinema como actor, depois passou a argumentista e fez a chamada escola da produção cinematográfica: assistente de realização, responsável pela segunda equipa, produtor executivo e por fim realizador.

Será John Carpenter a produzir o seu "The Philadelphia Experiment", aliás todo o universo de Carpenter se encontra aqui bem patente e as conotações com o seu "Starman" / “O Homem das Estrelas” são de tal maneira óbvias, que por vezes pensamos ir encontrar Jeff Bridges e Karen Allen no lugar destinado a Michael Paré e Nancy Allen.
A película de Stewart Raffill, que infelizmente foi encoberta na “Box-Office” por "Regresso ao Futuro" / “Back to the Future” de Robert Zemeckis, trata da sempre fascinante viagem no tempo, tema grato a muitos cineastas, muitos deles perfeitos anónimos na História do Cinema, trabalhando na década de cinquenta, século xx, dando origem aos famosos filmes da chamada “Série-B” e onde esse género menor conhecido por ficção-cientifica viveu momentos radiosos e de deslumbramento, que o digam as plateias desses tempos!


Em 1943, os serviços navais norte-americanos executam experiências secretas, a fim de tornar os seus navios invisíveis ao radar. A experiência realizada em Filadélfia é um fracasso, os mortos e os feridos são inúmeros e um buraco no tempo é aberto, escapando inocentemente por ele dois marinheiros: David Herdeg (Michael Pare) e Jim Parker (Bobby di Cicco). A viagem no tempo leva-os até ao ano de 1984 e a uma nova experiência de vida, desconhecida pelo homem de 1943.

Quarenta anos passaram e o medo destes dois homens perdidos no tempo acaba por os conduzir à procura de uma identidade e de uma família. O drama é estabelecido e enquanto Jim Parker (Bobby di Cicco) regressa ao passado, o seu amigo David Herdeg (Michael Pare) encontra em Allison Hayes (Nancy Allen) a única pessoa que acredita na sua história e como não podia deixar de acontecer, o amor nasce e aqui começam as citações a "Starman – O Homem das Estrelas".



Premeditada ou não, esta situação da película não impede que a mesma seja uma excelente obra de ficção científica. Se em "Starman" / “O Homem das Estrelas”, Jeff Bridges é obrigado a partir, deixando nas mãos de Karen Allen a semente da sua passagem e do seu amor, já em "A Experiência de Filadélfia" Michael Paré decide permanecer nos anos oitenta, ao lado daquela que ama.
"A Experiência de Filadélfia" / “The Philadelphia Experiment” é uma excelente experiência de cinema e para aqueles que o viram na época da sua estreia, um verdadeiro "cult-movie".

(*) – Sugerimos que vejam esse “cult-movie” chamada "THX 1138" realizada por George Lucas e produzida por Francis Ford Coppola, uma das melhores revisões do cinema de ficção-cientifíca de “Série-B”, feita até hoje, com Robert Duvall no protagonista.

2 comentários:

  1. Eis um filme que, por obrigações familiares, fiquei a meio e nunca consegui ver todo! Talvez um dia, quem sabe...

    ResponderEliminar