domingo, 8 de janeiro de 2017

William Fruet – “Olhos Indiscretos” / “Bedroom Eyes”


William Fruet - "Olhos Indiscretos" / "Bedroom Eyes"
(CANADA - 1984) - (90 min. / Cor)
Dayle Haddon, Kenneth David Gilman, Barbara Law, Christine Catell.

Hollywood nos anos 30/40 (do séc. xx) era um verdadeiro Império e uma das características das sessões de cinema era o programa duplo, que consistia no filme de cartaz com actores e realizador consagrados e a película de abertura, conhecida por filme de Série-B, onde tantos actores e realizadores se "esconderam", para virem a ser descobertos muitos anos mais tarde, alguns até depois de deixarem a actividade cinematográfica.
O filme de Série-B possuía um tipo de produção de reduzido orçamento com actores desconhecidos e onde o realizador era forçado a empregar todos os meios (escassos, a maioria das vezes) de que dispunha, fazendo verdadeiros milagres. Hoje são muitos os cineastas venerados e aplaudidos pelos cinéfilos, que fizeram da sua vida a Série-B. (*)

Dayle Haddon

Isto tudo para introduzir o realizador William Fruet e o seu filme "Bedroom Eyes" / “Olhos Indiscretos”, cineasta muito discreto, mas perfeito conhecedor da matéria cinematográfica, com actividade regular na TV, nas mais variadas séries, incluindo o remake que foi feito da célebre série “Alfred Hitchcock Presents”, em meados da década de oitenta (séc. xx).
"Olhos Indiscretos" / “Bedroom Eyes” é um “parente afastado” da célebre obra de Alfred Hitchcock, "Janela Indiscreta" / “Rear Window”, ou do mal-amado "Testemunha de Um Crime" / “Body Double” de Brian de Palma (uma espécie de remake / homenagem ao Mestre Hitchcock), conseguindo obter esta categoria de “parente afastado” através de uma história onde os heróis são um pacato empregado da bolsa, que não resiste a espreitar as actividades sexuais de uma ruiva, e o psiquiatra que o auxilia na luta contra o seu impulso "voyeur", terminando por se encontrarem no interior de um conflito sócio-político, onde o assassínio nasce e a acusação se precipita.

William Fruet

Conhecedor profundo dos meios de que dispõe, William Fruet constrói um filme que, não pretendendo enganar ninguém, oferece de forma extremamente agradável uma obra-menor da maior grandeza. "Olhos Indiscretos" / “Bedroom Eyes” não é um “movie suspeito”, mas sim uma película para ser vista na escuridão da sala da nossa casa, no silêncio da noite.
Descobrir filmes de quem ninguém fala é, muitas vezes, uma aventura gratificante para qualquer cinéfilo que se preze e "Bedroom Eyes", que já está editado em dvd nos EUA e foi exibido em Portugal nos anos oitenta, nessa velhinha sala do cinema Xenon, hoje dedicada a outros cultos, mas onde vimos na época, e nunca esqueceremos o ambiente do público presente na sala, tanto nesta película, como nos hoje célebres "Glória" de John Cassavetes e "Assalto à 13ª Esquadra" do John Carpenter. Aqui fica uma sugestão, procurem descobrir filmes e depois façam a sua divulgação. A Sétima Arte está repleta de bons filmes que merecem ser descobertos e dados a conhecer.

(*) – E não vamos falar desse mítico cineasta do "Trash", chamado Ed Wood, que Tim Burton deu a conhecer ao grande público no seu delirante e genial filme “Ed Wood”, com um Johnny Depp fabuloso, ao lado do amigo Martin Landau, que o aconselhou a deixar de viver em hotéis, constituir família e investir o dinheiro em obras de arte... e ele assim fez!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário