sábado, 14 de janeiro de 2017

Richard Marquand – “O Fio do Suspeito” / “Jagged Edge”


Richard Marquand – “O Fio do Suspeito” / “Jagged Edge”
(EUA - 1985) - (108 min. / Cor)
Jeff Bridges, Glenn Close, Peter Coyote, Maria Mayenzet.

Longe vai o tempo de "A Última Sessão de Cinema" / “The Last Picture Show” de Peter Bogdanovich; no entanto quando vimos a figura de Jeff Bridges em "O Fio do Suspeito" / “Jagged Edge”, redescobrimos que ele é um daqueles actores nascidos para o cinema, com pai e irmão a navegar nas mesmas águas cinematográficas. E com Jeff Bridges está Glenn Close que nos surgiu pela primeira vez no écran, com trinta anos, em "O Estranho Mundo de Garp" /  “The World According to Garp” (1) na companhia de Robin Williams.
"O Fio do Suspeito" / “Jagged Edge” vive da interpretação destes dois grandes actores e de um naipe magnífico de secundários, mas também do fabuloso argumento de Joe Eszterhas, autor de "Instinto Fatal" / “Basic Instinct”.


Passado nos meios da advocacia (filme de tribunal), a película de Richard Marquand (2) conta-nos a luta de Jack Forrester (Jeff Bridges) para provar a sua inocência, acusado de ter morto a esposa para herdar a sua fabulosa fortuna. O advogado de defesa escolhido acaba por ser uma mulher – Teddy Barnes (Glenn Close) –, divorciada, com dois filhos e que acredita na inocência do seu constituinte.
A luta na barra do tribunal acaba por ser dura, devido ao jogo de Krasny (Peter Coyote), o advogado de acusação, que pretende tornar o processo num trampolim para outros voos. E, como tão bem sabemos, em alguns processos o passado acaba sempre por "vir ao de cima", não só o do acusado, como o dos próprios advogados, mas os laços que ligam Teddy a Jack terminam também por ultrapassar a fronteira delineada no início do julgamento.
Teddy e Jack vivem para o seu trabalho, mas quando a solidão os invade verificam que não podem estar sós. Ela já não é só a advogada, ele já não é simplesmente o editor, porque o amor ronda-lhes a porta, mas não só...


"O Fio do Suspeito" / “Jagged Edge" é a demonstração plena de que um dos grandes trunfos do cinema americano foi, é e será, a grandiosa galeria de excelentes actores principais e secundários que, a qualquer momento, nascem numa sala de cinema, para nosso encantamento e se gosta mesmo de suspense este magnifico filme tem todos os condimentos necessários ou não fosse ele escrito por Joe Eszterhas.


(1) – Aqui está um caso contemporâneo de censura no cinema, esta película de George Roy Hill, foi estreada no cinema e é baseada no livro do famoso escritor norte-americano John Irving, no elenco conta com Robin Williams e Glenn Close, mas uma das sequências mais célebres da película, foi cortada e substituída por uma foto, que nada tem a ver com a mais hilariante cena do filme, quem viu o filme no cinema Quarteto, tal como eu, aquando da sua estreia e mais tarde o visionou no pequeno écran sabe do que falamos. As "boas consciências" convivem mal com o humor!

(2) – Cineasta convidado por George Lucas para realizar a película "O Regresso de Jedi" / “Return of the Jedi” da saga "Star Wars".

Sem comentários:

Enviar um comentário