segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ernst Lubitsch – “Ser ou Não Ser” / “To Be or Not To Be”



Ernst Lubitsch – "Ser ou Não Ser" / "To Be or Not To Be"
(EUA – 1942) - (99 min. - P/B)
Jack Benny, Carole Lombard, Robert Stack, Stanley Ridges.

Em 1942 Ernst Lubitsch decide fazer sorrir as plateias de todo o mundo e cria, com “Ser ou Não Ser” / “To Be or Not To Be”, uma comédia mordaz sobre a ocupação alemã da Polónia, numa altura em que ainda estava bem distante o fim da guerra. E será sempre de recordar que Charles Chaplin, com o seu filme “O Grande Ditador” / “The Great Dictator”, já alertara o mundo desse mesmo perigo em 1940, usando também o humor como arma.


Estamos em Varsóvia, no ano de 1939, nesse imenso palco que é o Teatro e onde a companhia dirigida por Joseph Tura (Jack Benny) leva à cena a sua versão de Hamlet. E sempre que surge esse momento solene da peça, em que o célebre “to be or not to be” é pronunciado, um espectador ainda jovem levanta-se no meio da plateia e sai, perante o espanto de todos os presentes, para se ir encontrar com a bela esposa do actor.
Stanislav Sobinsky (Robert Stack) tem um “affair” com Maria Tura (Carole Lombard) e aquele momento da peça é o sinal combinado para ambos se encontrarem.


Com a invasão da Polónia pelas tropas alemãs, o jovem tenente parte para Inglaterra para se juntar aos aliados, deixando o seu amor para trás. Mas no interior da resistência existe um traidor e é necessário eliminá-lo, porque entretanto ele regressara à Polónia com a lista dos nomes dos resistentes que lutavam no país, contra a ocupação. E será com a preciosa “colaboração” (forçada) dos membros do grupo teatral, que será eliminado esse enorme perigo.


Ernst Lubitsch coloca a ridículo as forças ocupantes, muito especialmente o perigoso coronel Erhardt que gosta de contar anedotas sobre Hitler, utilizando um humor verdadeiramente corrosivo, sendo o traído actor Joseph Tuna (Jack Benny) obrigado a desempenhar o papel mais difícil e perigoso da sua carreira ao fazer-se passar pelo perigoso espião, enquanto o pior actor da companhia é “convidado” a fazer-se passar por Hitler, de visita às tropas estacionadas em Varsóvia.
E, quando tudo parece perdido, eles conseguem escapar numa fuga verdadeiramente delirante, a caminho de Londres.


Já em terras de Sua Majestade, Joseph Tuna realiza o sonho da sua vida, ao representar Hamlet e quando pronuncia a célebre frase “to be or not to be”, faz uma longa pausa, olhando para Stanislav Sobinsky que se encontra na plateia, mas este permanece sentado, sorrindo para o actor. Nesse preciso momento um outro elemento do público levanta-se e sai da sala, perante a perplexidade de todos. Decididamente a bela e volúvel Maria Tura (Carole Lombard) insiste em não dar descanso ao coração atormentado do marido.
O riso e o humor são muitas vezes a melhor arma para defrontar a triste realidade dos tempos de guerra, como muito bem demonstrou Ernst Lubitsch nesta poderosa comédia intitulada “To Be or Not To Be”.

Nota: Em 1983 Mel Brooks realizou um delicioso "remake" desta comédia.

Sem comentários:

Enviar um comentário