terça-feira, 18 de outubro de 2016

Steven Spielberg – “O Resgate do Soldado Ryan” / “Saving Private Ryan”


Steven Spielberg – "O Resgate do Soldado Ryan" / "Saving Private Ryan"
(EUA – 1998) – (169 min. / Cor)
Tom Hanks, Matt Damon, Tom Sizemore, Edward Burns, Vin Diesel, Paul Giamatti, Ted Danson, Dennis Farina.

Steven Spielberg, ao realizar “O Resgate do Soldado Ryan” / ”Saving Private Ryan”, cuja acção se inicia com o desembarque das forças aliadas na Normandia, durante a segunda Grande Guerra, surpreendeu tudo e todos com o realismo introduzido nos primeiros vinte minutos de filme, retratando o célebre desembarque das forças aliadas na costa francesa da Normandia, tendo todos nós ficado perfeitamente cientes que esse célebre dia que mudou o rumo da História não foi propriamente a “pêra doce” que, por vezes, a superprodução “O Dia Mais Longo” / “The Longest Day”, nos dá a entender.


O cineasta, usando com toda a mestria o seu talento e contando com o excelente director de fotografia Januzs Kaminski a seu lado, criou o clima necessário para nos deixar perfeitamente consumidos por aquele segmento da película, bem demonstrativo, mais uma vez, do Horror que representa a guerra. No entanto, este filme acabará, devido às habituais opções do cineasta, por ficar bem atrás de obras como “Barreira Invisível” / “The Thin Red Line” de Terrence Malick e “Apocalipse Now” de Francis Ford Coppola ou mesmo de “O Sargento da Força 1” / “The Big Red One” de Samuel Fuller.
A história de “O Resgate do Soldado Ryan” / “Saving Private Ryan”, da autoria de Robert Rodat, baseado numa história verídica, é uma daquelas paisagens norte-americanas bem politicamente correctas, tendo de imediato despertado o interesse do cineasta Steven Spielberg.


Uma mãe com os quatro filhos no teatro de operações da Segunda Grande Guerra recebe, no mesmo dia, a notícia de que três deles foram mortos, dois na Normandia e um na Nova Guiné e o general Marshall, ao tomar conhecimento desta trágica situação, decide demonstrar toda a sua humanidade e ordena que seja enviada uma pequena unidade, composta por oito homens, para encontrar o último sobrevivente dos quatro irmãos, o soldado James Francis Ryan (Matt Damon), para de imediato o reencaminharem para casa, para assim devolver àquela mãe o conforto possível, com a presença do único filho que lhe resta.


Essa unidade, comandada pelo Capitão Miller (Tom Hanks), irá levar a bom termo a sua missão, sendo de registar que neste grupo de soldados, destacados para esta acção tão particular, iremos encontrar actores como Edward Burns – hoje actor e realizador com muito a oferecer ao cinema, Vin Diesel – o novo ídolo de filmes de acção; Paul Giamatti – o célebre “Mr. American Splendor”; Tom Sizemore: inesquecível em “Cercados” ou Matt Damon que tem surpreendido meio mundo ao interpretar a personagem Jason Bourne, criada por Robert Ludlum, para além de outras interpretações inesquecíveis na sua já longa filmografia.
Mais uma vez com “O Resgate do Soldado Ryan” / “Saving Private Ryan”, Steven Steven Spielberg triunfava no seu território de eleição: as bilheteiras. Mas se compararmos esta película com as que Terrence Malick e Francis Ford Coppola realizaram acerca desse profundo horror, que é, foi e será sempre, a Guerra entre os homens, Steven Spielberg termina por perder essa mesma batalha.

Sem comentários:

Enviar um comentário