quarta-feira, 5 de outubro de 2016

René Goscinny e Sempé – “As Férias do Menino Nicolau” / “Les Vacances du Petit Nicolas”



René Goscinny e Sempé
As Férias do Menino Nicolau"
Dom Quixote, Pag. 152

René Goscinny et Sempé
"Les Vacances du Petit Nicolas"
Folio/Gallimard, Pag. 160

As Aventuras de “Le Petit Nicolas” / “O Menino Nicolau” surgiram pela primeira vez na Imprensa Francesa através da célebre revista “Pilote”, de banda desenhada, tendo já passado mais de meio-século sobre o seu “nascimento”. Aliás, quando se comemorou o cinquentenário, em Paris no Hotel de Ville, foi apresentada uma magnifica exposição sobre a criança francesa mais célebre da Literatura.


Nessa mesma exposição em Paris foi possível assistir em vídeo a uma entrevista com Renè Goscinny, em que ele nos relatava como “Le Petit Nicolas” / “O Menino Nicolau” tinha nascido das suas memórias de infância, criando assim esta criança, que por vezes entende de uma maneira bem “sui generis” o universo dos adultos.
Recorde-se que, em Portugal, “As Aventuras do Menino Nicolau” surgiram pela primeira vez no célebre Cavaleiro Andante, sempre acompanhadas pelo traço inconfundível de Sempé, que assim deu vida ao personagem e aos seus amigos de escola, para além do pai e da mãe.


Em “As Férias do Menino Nicolau” / “Les Vacances du Petit Nicolas”, deparamos logo no início com uma discussão entre os pais do menino Nicolau sobre o destino das férias, perfeitamente delirante, já a estadia no belo Hotel Beau-Rivage não lhe fica atrás, obrigando-nos muitas vezes a recordar esse Monsieur Hulot criado por Jacques Tati e o seu filme “As Férias de Monsieur Hulot” / “as Férias do Senhor Hulot”.

Foto PNLima
Depois temos o regresso a casa e a descoberta que a cidade está deserta (o célebre êxodo dos franceses) e não se tem ninguém para brincar, mas ao surgir a notícia da partida para um acampamento de férias, o Petit Nicolas vai-se sentir livre como o vento, perante a ausência dos pais, que na verdade ficam inconformados perante a sua alegria, iniciando-se de imediato as mais espantosas peripécias que nos fazem, inevitavelmente, recordar a nossa própria infância.

(Re)ler as aventuras do Petit Nicolas transforma-se assim numa maravilhosa viagem até ao território da nossa infância, que permanece bem vivo na nossa memória.

PS - E não se esqueçam também de ver os filmes!

2 comentários:

  1. Divertimento puro! E de uma qualidade fantástica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto, ao ver os filmes recordo-me sempre da minha infância:)
      Bom feriado!

      Eliminar