sábado, 29 de outubro de 2016

Edward Yang – “Yi Yi”


Edward Yang – "Yi Yi"
(TAIWAN/JAPÃO – 2000) – (173 min./ Cor)
Nien-Jen Wu, Elaine Jin, Issei Ogata, Kelly Lee, Jonathan Chang.

Apesar de ser um nome pouco conhecido do grande público, Edward Yang constituiu com Tsai Ming-Liang e Hou Hsiaou-Hsien, o centro fundador de uma nova vaga do cinema de Taiwan, ultrapassando as suas fronteiras para surpreender o mundo cinematográfico.


A sua ligação apaixonante pelo cinema, apesar de desde tenra idade se sentir fascinado por ele, deu-se após descobrir a película “Aguirre, O Aventureiro” / "Aguirre der Zorn Gottes" de Werner Herzog. Mantendo sempre uma forte ligação com o pequeno écran, Edward Yang, através dos seus filmes, soube sempre explorar com acutilância as pequenas histórias do quotidiano, vidas de gente anónima, que sonha e ama, que luta em busca de um sentido da vida, perdendo e vencendo batalhas, sofrendo e amando de forma quase incógnita, no interior do turbilhão das cidades.

Edward Yang

“Yi Yi”, a sua derradeira obra, surge-nos como um verdadeiro testamento do cineasta, falecido em 2007, porque possui precisamente essa magia de nos oferecer a história de uma família ao longo de três horas, não se apercebendo o espectador do filme da sua duração, tal é a intensidade que lhe é oferecida pelo cineasta, num argumento mais-que-perfeito da sua autoria. Começando tudo num casamento, concluindo-se a narração com um funeral, oferecendo-nos desta forma a passagem do tempo de uma forma brilhante.


Estamos assim perante o trajecto de três gerações de uma família, bem distintas nos seus valores, que irão fascinar o espectador, através de uma eficiente e complexa teia de relações, em que nos é dado o olhar que todos possuem do mundo em que vivemos, desde a avó até ao neto, essa criança que gosta de tirar fotografias às pessoas quando elas se encontram de costas, focando de preferência a zona de trás da cabeça do ser humano, ou se preferirem a nuca, esse território bem distante da nossa própria visão, até aos filhos envolvidos nas suas paixões perdidas e que buscam uma resposta para o seu insucesso ou passando pela luta nos negócios irremediavelmente votados ao fracasso ou falência se preferirem.


“Yi Yi” de Edward Yang revela-se uma verdadeira pérola escondida no interior do oceano do cinema contemporâneo, que é urgente descobrir, por todos aqueles que amam a Sétima Arte em todas as suas vertentes.

Sem comentários:

Enviar um comentário