sábado, 22 de outubro de 2016

Albert Magnoli – “Purple Rain” / “Viva a Música”



Albert Magnoli – "Purple Rain" / "Viva a Musica"
(EUA - 1984) – (111 min. / Cor)
Prince, Apollonia Kotero, Morris Day, Olga Karlatos.

Prince, um dos nomes mais sonantes da pop music, deixou-nos este ano de 2016, mas nunca é demais recordar que no ano de 1984 ele foi o herói das vendas discográficas nos EUA. Mais de 10 milhões de discos vendidos, batendo na época nomes como Michael Jackson e Bruce Springsteen. E, como não podia deixar de ser, surgiu nesse mesmo ano "Purple Rain" – o movie, que em Portugal teve o título de “Viva a Música”, recorde-se que as receitas obtidas só no fim-de-semana da estreia da película nos Estados Unidos cobriram de imediato os custos da produção do filme.

A história é simples (como sempre sucede nestes casos), servindo de suporte aos diversos "video-clips" que se passeiam no écran, da responsabilidade de Albert Magnoli. Kid (Prince) é um jovem cantor que luta na selva do mundo do espectáculo, para alcançar um lugar de destaque no universo musical. A caminhada é dura e não falta uma jovem, de seu nome Apollonia (Apollonia Kotero), também ela em busca do sucesso, apaixonada pelo jovem herói que termina por triunfar, no sempre difícil universo da pop music.


Albert Magnoli realizou em 1979 a curta-metragem "jazz", obra de final de curso de cinema e Hollywood abriu-lhe as portas mas, ao contrário de Prince, não conseguiu alcançar o sucesso desejado, embora "Purple Rain" seja uma obra de sua autoria; já quando Prince o convidou para realizar "Sign'o'the times", baseado no concerto levado a efeito por Prince no Rotterdam Music Hall, o realizador acabou por ser “afastado”, tendo-se o próprio Prince encarregado de terminar a película. E depois foi aquele caso, para muitos desconhecido, mas que deixou muito boa gente perplexa, vamos então à história: - Quando todos nós vimos o cineasta russo Andrei Konchalovsky a assinar a película "Tango & Cash", tendo como intérpretes Sylvester Stallone e Kurt Russell, muitos ficaram em estado de choque, mas o que se passou foi que o realizador que tinha iniciado as filmagens de “Tango & Cash” foi precisamente Albert Magnoli, que os irmãos da produtora Cannon não hesitaram em substituir após se aperceberem do andamento das filmagens e como último recurso para salvar a película pediram a Andrei Konchalovsky, que tinha contrato com eles, para terminar o filme que parecia destinado ao fracasso. Não nos esqueçamos que a Cannon proporcionou ao cineasta Andrei Konchalovsky os meios para realizar películas como "Os Amantes de Maria" / “Maria’s Lovers”, "Comboio em Fuga" / “Runaway Train”, "Gente Estranha" / “Shy People” e "Duet for One", todas elas inesquecíveis!
E foi assim que Albert Magnoli terminou a sua carreira a fazer a série "Nash Bridges" (1996-2001) para a TV. Anos depois Magnoli puxou das suas memórias e realizou "Purple Rain: Backstage Pass".


Nos dias de hoje muito se tem escrito sobre "video-clips" e autores a descobrir, mas no começo dos anos oitenta o assunto ainda era, de certa forma, "virgem" e começava a dar os primeiros passos no cinema, funcionando nuns casos como elemento autónomo como o sensacional clip "Relax", dos Frankie Goes To Hollywood, no filme de Brian de Palma "Testemunha de Um Crime" / "Body Double", ou então perfeitamente incorporado no argumento, como sucedia com "Estrada de Fogo" / "Streets of Fire" de Walter Hill ou "Flashdance" de Adrian Lynne (realizador oriundo da publicidade).
"Purple Rain" / “Viva a Música” de Albert Magnoli acabou por ser um longo "video-clip", que pecou pela repetição de planos, além de falhar na simbiose banda sonora/imagem e Prince merecia ter um realizador à altura do seu talento. Apresentar um filme como um longo "video-clip", só Giorgio Moroder esteve a um passo de atingir o "Milagre", mas faltou-lhe aquele golpe de asa, quando decidiu musicar e tintar a célebre obra-prima de Fritz Lang, "Metropolis".


"Purple Rain" / “Viva a Música” revela-se assim, nos dias de hoje, neste século xxi, como um testemunho incontornável da genialidade de Prince no interior da Pop Music, já como obra cinematográfica falhou os objectivos a que se propunha.

2 comentários:

  1. Não vi o filme, mas gosto muito da música, não só de ouvir como de dançar.
    O "Flashdance" revimos ontem na TV.
    Bom fim-de-semana! :-)

    ResponderEliminar
  2. Purple Rain é o nosso tema favorito do Prince, esse músico extraordinário que nos deixou recentemente e ele bem merecia que o filme fosse melhor.
    O "Flashdance" possui uma banda sonora inesquecível e tal como as respectivas sequências musicais, que permanecem uma referência no género.
    Obrigado pela visita e comentário.
    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar