segunda-feira, 29 de agosto de 2016

William Hurt – O Homem Tranquilo - Parte 1


Quando alguém me fala de William Hurt, dois filmes iluminam de imediato a minha memória: são eles “O Turista Acidental”/”The Accidental Tourist” a mais bela e fidedigna adaptação de uma obra literária, da autoria de Anne Tyler, cuja edição portuguesa editada já lá vão uns anos, esgotou e nunca mais viu a luz do dia e a estreia de Lawrence Kasdan como cineasta no thriller fatal “Noites Escaldantes”/”Body Heat”, mas depois há essa obra pouco conhecida, ou direi antes muito pouco vista, porque lá falada ela foi, refiro-me a “O Beijo da Mulher Aranha” / “Kiss of The Spider Woman” que lhe iria oferecer o Oscar para o melhor actor e que interpretação ele nos ofereceu!!!!


"Body Heat" / "Noites Escaldantes"

A sua casa é simples e gosta de manter uma certa distância entre ela e Los Angeles. Chama-se William Hurt, costuma passear calmamente nas ruas, sem ser reconhecido e define-se como um típico vizinho do lado. Com as suas “jeans” e “t-shirts”, vivendo sossegadamente, sem ter o nome e a fotografia nas páginas dos jornais e revistas da especialidade, continuando a poder usufruir plenamente da sua vida privada, ao contrário de muitos colegas de profissão, completamente engolidos pela máquina promocional.
Ao contrário do seu colega John Hurt, não gosta de entrar em profundidade nos personagens, permanecendo neles depois das filmagens. Simplesmente altera o seu comportamento durante a representação, oferecendo o seu melhor e, quando a interpretação termina, regressa ao seu pequeno mundo.


"The Big Chill" / "Os Amigos de Alex"
(um filme comovente sobre a amizade de uma geração)

Ao interpretar a figura de um homossexual em “O Beijo da Mulher Aranha” / “The Kiss of The Spider Woman”, realizado por Hector Babenco, o actor William Hurt viu o seu magnífico trabalho galardoado pelos seus pares da Academia de Hollywood, com o merecido Oscar para o melhor actor.
Embora aconselhado por alguns amigos a não aceitar o papel, William Hurt como um bom jogador de poker não virou a cara, participando no maior desafio da sua carreira. Aliás uma personagem idêntica já tinha sido interpretada por William Hurt na peça “Fifth of July”. Para ele foi com a película “Making Love” de Arthur Hiller (o cineasta de “Love Story”) que o grande público “descobriu” no grande écran o retrato de uma outra realidade, que até então vivia no “armário”, não o preocupando nada a sua representação, seja no cinema ou no teatro.


"Gorky Park" / "O Mistério de Gorky Park"

Foi com “Viagens Alucinantes” / “Altered States”de Ken Russell, que William Hurt começou a ser notado no cinema, ao mesmo tempo que dividia a sua carreira entre o grande écran e o palco. “Noites Escaldantes”/”Body Heat” de Lawrence Kasdan ao lado da bela Kathleen Turner, tornaram-no num nome citado com regularidade entre a imprensa da especialidade e a crítica cinematográfica e a sua colaboração com Lawrence Kasdan continuou nesse retrato de uma geração chamado “Amigos de Alex” / “The Big Chill”. Depois fez par com Sigourney Weaver em “The Janitor” / “Os Olhos da Testemunha”, realizado por Peter Yates, para mais tarde nesse território gelado da Rússia, fazer par com Joanna Pacula no fabuloso thriller “O Mistério de Gorky Park” / “Gorky Park”, realizado com mestria por Michael Apted.


"The Kiss of The Spider Woman"
 / "O Beijo da Mulher-Aranha"

Como podemos ver William Hurt tem revelado todo o seu enorme talento com uma simplicidade e um rigor digno de aplauso, cativando de imediato o espectador, seja qual for o género cinematográfico abordado, oferecendo-nos sempre interpretações inesquecíveis.

Na película de Hector Babenco, “O Beijo da Mulher Aranha”/ “The Kiss of the Spider Woman”,o actor William Hurt ao vestir a pele de Molina, compartilha o seu espaço no território prisional, com Valentin (Raul Julia), um jornalista, preso político. O que está em causa neste filme de Hector Babenco (cineasta falecido recentemente) é a luta pela sobrevivência, num meio prisional hostil, entre dois homens completamente distantes e diferentes um do outro. Será quando Molina decide abandonar o seu universo e entrar no mundo de Valentin, que encontra a violenta amargura da morte.


"Children of a Lesser God" / 
"Filhos de um Deus Menor"

Depois de terminadas as filmagens de “O Beijo da Mulher Aranha”, William Hurt regressa a casa e parte novamente para o palco, esse sua outra paixão, entretanto a peça “Filhos de Um Deus Menor”/”Children of a Lesser God” é adaptado ao cinema e William Hurt lá está fascinado pelo tema, novamente vestindo uma outra personagem e encontrando um novo amor, dentro e fora do plateau, mas que, como sabemos, não iria durar muito tempo.

(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário