domingo, 14 de agosto de 2016

Steven Spielberg – O Vendedor de Sonhos – Parte 12 – The End


Daniel Day-Lewis insuperável em "Lincoln"!

Um dos projectos mais acalentados ao longo da vida por Steven Spielberg foi “Lincoln”, um filme que ele sempre desejou fazer, talvez porque sempre amou o “Young Mr. Lincoln” / “A Grande Esperança” (1939) de John Ford, em que Henry Fonda dava rosto ao homem que um dia iria abolir a escravatura no Novo Mundo, aliás como se pode chamar novo mundo a um continente onde existem escravos. E 2012 viu chegar esse filme magnifico, com um Daniel Day-Lewis a oferecer-nos uma excelente interpretação ao protagonizar esse Presidente dos Estados Unidos da América, que acabaria por ser assassinado, mas que lutou contra tudo e contra todos, com uma das guerras civis mais sangrentas da história da humanidade entre mãos, mas que não desistiu, porque segundo o seu pensamento, todos os homens nascem livres e Steven Spielberg conseguiu de forma bem realista contar-nos a história dessa luta, com uma direcção de actores espectacular, que nos faz recordar esse seu outro magnifico filme intitulado “Amistad”.


Henry Fonda na obra-prima de John Ford,
"Young Mr. Lincoln" / "A Grande Esperança" (1939).

Foi pena que, aquando da estreia de “Lincoln”, nenhum distribuidor se tenha lembrado de exibir em sessão dupla o “Young Mr. Lincoln” / “A Grande Esperança” de John Ford com o “Lincoln” de Steven Spielberg, enfim, às vezes até penso que a cinéfilia é uma miragem neste século XXI.


Ao terminar este fabuloso filme intitulado “Lincoln” e perante o “boom” das séries no pequeno écran, Steven Spielberg foi produtor executivo ao longo de três anos de sete séries televisivas, ao mesmo tempo que surgia como produtor em diversos filmes (recorde-se que o cineasta foi um dos homens que perdeu uma fortuna na crise financeira que abalou os alicerces da sociedade norte-americana).


"A Ponte dos Espiões" / "Bridge of Spies"

Em 2015 Steven Spielberg regressa ao grande écran para nos oferecer “A Ponte dos Espiões” / “Bridge of Spies”, mergulhando-nos não só nessa época da Guerra Fria (sempre tão bem retratada nos livros de John Le Carré) mas também na História, tal como sucedeu com o excelente “Munique” / “Munich” e desta feita Steven Spielberg vai fazer dupla com Tom Hanks, que aqui nos oferece uma interpretação memorável no advogado de defesa de um espião soviético capturado pela CIA na América, mas que mais tarde irá servir de moeda de troca de um piloto de um U2 aprisionado pelos Soviéticos, após o seu avião ter sido abatido.


Tom Hanks continua a oferecer-nos a sua Arte 
inesquecível, nesta visão da Guerra Fria!

Após os sucessos de “Lincoln” e “A Ponte dos Espiões” / “Bridge of Spies”, e o magnifico “Cavalo de Guerra” / Horse War”, muitos pensaram que Steven Spielberg tinha abandonado definitivamente esse outro cinema, em que o encantamento nos levava até esse território amado da nossa infância, onde fantasia e o fantástico se fundiam criando histórias que nos maravilhavam, mas que também, por vezes, nos obrigavam a temer as sombras ou esses estranhos ruídos só audíveis no universo infantil. Ao decidir levar ao grande écran o livro de Roald Dahl, esse Mestre dos fabulosos “Contos do Imprevisto” (quem se recorda da série?), o cineasta regressa com “O Amigo Gigante” / “The BFG” (The Big Friendly Giant), ao território encantado do Cinema.


"The BFG", a Magia do livro de Roald Dahl, 
através do olhar do vendedor de sonhos!

Mais uma vez iremos entrar nesse território em que a diferença é hostilizada, neste caso entre gigantes, porque BFG (Mark Rylance) se recusa a comer crianças, ao contrário dos seus “irmãos”, sendo marginalizado pelos seus iguais e ao cruzar-se com Sophie  (Ruby Barnhill) irá encontrar nela essa amizade, que por vezes é tão difícil de descobrir neste mundo de “gigantes”, que não percebem a felicidade de se ser anão.



Em 1989 Brian Cosgrove, através do cinema de animação,
levou ao écran o maravilhoso livro "The Big Friendly Giant's"
da autoria de Roald Dahl, uma película a descobrir!

Steven Spielberg, ao longo da sua extensa carreira cinematográfica, tem-nos oferecido uma filmografia bem reveladora do seu génio, revelando-se como o mais prolífero “movie-brat” da sua geração. 

The End

2 comentários:

  1. Vi Lincoln e gostei.
    Daniel Day-Lewis e Tom Hanks são dois actores de que gosto muito.

    Boa noite:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo, tanto o Daniel Day-Lewis como o Tom Hanks, são dois dos maiores actores da sua geração e se o primeiro me leva logo à sua interpretação inesquecível em "O Meu Pé Esquerdo", já o segundo encontro-o genial em "O Náufrago" ou "Filadélfia", mas ambos tem uma enorme filmografia e sempre foram brilhantes na sua Arte.
      Obrigado pela visita e comentário :)

      Eliminar