segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Steven Spielberg – O Vendedor de Sonhos – Parte 1


E.T. e Steven Spielberg, uma dupla Mágica!

Steven Spielberg foi o “wonder-boy” do cinema norte-americano. A sua paixão pela Sétima Arte vem de tenra idade e as irmãs foram as primeiras “vítimas” da sua imaginação prodigiosa. A família era a sua casa produtora e nem o pai escapou à voragem da câmara de 8 mm, suando e sofrendo com a forte direcção de actores, já patenteada pelo filho.
Os Estúdios da Universal iriam ser o seu primeiro lar cinematográfico, pois ali se escondia para ver Hitchcock filmar. Inicia-se aos vinte anos no pequeno écran, dirigindo alguns episódios das séries “Colombo”, “Marcus Welby” e “The Name of the Game”.


Dennis Weaver em "Duel" /"Um Assassino Pelas Costas"-

“Duel”/”Um Assassino Pelas Costas” é a história de um camião assassino, com alvo localizado, cuja identidade do seu ocupante nunca nos será revelada ao longo do filme, a não ser a sua imagem de monstro invasor da estrada. Para termos essa sensação de desamparo e solidão, basta fazermos um daqueles percursos através do deserto, em que a ausência de sorrisos na paisagem nos leva quase ao desespero, sendo sempre imensos os traços no asfalto de veículos que perderam o controlo, acompanhados de restos de pneus, vitimados pelo calor. Se desejarem experimentar essa sensação, façam a travessia do deserto de Mojave e quando um camião vos surgir no espelho retrovisor é inevitável pensarem em “Duel”, ao mesmo tempo que um calafrio vos percorre o corpo. Já sentimos essa sensação, mas o camião passou e o motorista acenou-nos, desejando-nos uma boa viagem para nossa tranquilidade.


"Duel" / "Um Assassino Pelas Costas"

O sucesso de “Duel”, realizado para o pequeno écran, foi enorme, acabando a película por ser distribuída nos cinemas, originando o nascimento de um dos mais famosos “cult-movies” de sempre.
O segredo do filme é a estratégia narrativa adoptada por Steven Spielberg, concentrando todos os meios ao seu dispor em redor do veículo conduzido por Dennis Weaver, obrigando-nos a partilhar os sentimentos que invadem o protagonista da película.


A magnifica Sandy Dennis, star de 
"A Presença do Mal" / "Something Evil"

A sua segunda longa-metragem, “Something Evil”/”A Presença do Mal”, ainda para a caixa que mudou o mundo (a televisão), navega no território do filme de terror, transportando consigo o elemento mais característico dos seus filmes: a família como espaço celular compacto ou desagregação apreendida, fruto da realidade vivida pelo jovem Steven. Curiosamente foi na TV, e mais tarde na Cinemateca, que descobrimos esta obra de Steven Spielberg, que se situa muita na linha dos produtos saídos da “factory” de Roger Corman, onde aprenderam o ofício outros “movies-brats” e possuindo bastantes pontos comuns com “Dementia 13” do noviço Francis Ford Coppola. Por fim, antes do seu baptismo de fogo no grande écran, nasce “Savage”, um thriller com Martin Landau, baseado nas investigações que são feitas por um jornalista acerca de um dos nome indigitado para o Supremo Tribunal, sendo este um dos territórios menos explorados pelo cineasta: o filme político.


Goldie Hawn em "Asfalto Quente" / "Sugurland Express",
uma película que é urgente (re)descobrir!

“Asfalto Quente”/”Sugarland Express” foi estreado em Portugal, mas quantas vezes foi reposto e passado no pequeno écran? Quantos cinéfilos apaixonados por Steven Spielberg viram a película? Muito poucos! Mas na época o filme foi bastante “badalado”. Estamos perante a história de um falso rapto que se transforma em verdadeiro, arrastando atrás da bela e loura Goldie Hawn toda a polícia do Texas. Como não podia deixar de ser, ao se rever esta película de Steven Spielberg, acaba por nos vir à memória “A Perfect World”, realizado por Clint Eastwood, muitos anos depois.
Na época estávamos à beira de descobrir o sistema que iria mudar a história comercial do cinema e marcar o regresso dos grandes Estúdios, com a criação do “blockbuster”, que iria alterar para sempre o sistema de divulgação e distribuição cinematográfico.

(continua)

Sem comentários:

Enviar um comentário