domingo, 5 de junho de 2016

David Bowie Moviestar – Parte 2 - The End


David Bowie começou a demonstrar um enorme interesse pela 7ª Arte e um dos seus projectos foi a recuperação e reconstituição da obra-prima de Fritz Lang “Metropolis”, mas a batalha pelos direitos terminaria por ser ganha pelo produtor musical Giorgio Moroder e após ter sido estreada a versão de Giorgio Moroder muitos lamentaram não ter sido Bowie a ganhar os direitos. Já o célebre livro de George Orwell “1984”, também mereceu as atenções de David Bowie, primeiro falou-se num musical e depois mais tarde, na feitura da banda sonora para o filme que o cineasta Michael Radford se encontrava a rodar, com Richard Burton e John Hurt nos protagonistas, mas a banda sonora terminou por ser feito pelos Eurythmics, como alguns devem estar recordados.


"Jazzin For Blues Jeans"

No interior da sua oba videográfica não podemos deixar de mencionar “Jazzin For Blues Jeans”, já que o vídeo-clip é retirado de uma película realizada por Julian Temple, produzido e interpretado por David Bowie, que irá obter um Grammy. A película relata-nos a luta entre duas estrelas, uma na decadência e outra no apogeu da fama, sendo ambas interpretadas por David Bowie, de forma surpreendente.


"Into The Night"

E se nunca imaginou David Bowie de bigode veja a bem interessante pelicula de John Landis “Into the Night” / “Pela Noite Dentro”, em que o iremos encontrar a vestir a pele de um gangster que persegue a bela Michelle Pfeiffer, convém recordar que os outros perigosos gangsters são todos eles conhecidos cineastas, só por isto vale a pena descobrir o filme de Landis.


"Absolute Beginners"

No ano seguinte Bowie e Julien Temple juntam forças e nasce a pelicula “Absolute Beginners”, um musical que bem merece ser reavaliado. Depois foi a vez do célebre Jim Henson (criador dos Marretas) convidar Bowie para participar nesse filme verdadeiramente mágico que é “Labyrinth” / “Labirinto”.


"The Last Temptation of Christ"

Quando em 1988 Martin Scorsese conseguiu finalmente arranjar financiamento para o seu projecto de levar ao cinema “A Última Tentação de Cristo” / “The Last Temptation of Christ”, Bowie seria o escolhido para encarnar a figura controversa de Pôncio Pilatos, naquela que é uma das películas mais religiosas de todos os tempos, ao contrário do que muitos escreveram.


"Basquiat"

Mais tarde irá surgir em “Twin Peaks: Fire walk With Me” / “Os Últimos dias de Laura Palmer”, mas uma das suas maiores interpretações, onde irá revelar os seus magníficos dotes de actor, será quando interpreta a figura de Andy Warhol no filme “Basquiat” do cineasta e pintor  Julian Schnabel, já que David Bowie está irreconhecível a interpretar o famoso Andy Warhol, conseguindo reproduzir os famosos gestos e a fala do artista, mantendo um duelo sobre o significado de Arte com o jovem Basquiat que fica na memória de todos aqueles que viram este magnifico filme.


"Mr. Rice's Secret"

Com a chegada do novo Milénio David Bowie, que nunca parou de nos surpreender tanto na música como no cinema, irá surgir numa película que é urgente descobrir intitulada “Mr. Rice’s Secret”, realizado por Nicholas Kendall. Este “magic movie” possuidor de uma fabulosa caça ao tesouro, em busca de uma poção mágica que possibilite o milagre da cura a um jovem que se encontra em estado terminal, oferece-nos um David Bowie inesquecível já que o célebre Mr. Rice possui a bonita idade de 400 anos, sendo soberba a sua caracterização.



"The Prestige"

“Zoolander” realizado pelo actor Ben Stiller, “Mundo de Criminosos” / “Everybody Loves Sunshine” de Andrew Goth, “Agosto” / “August” de Austin Chick ou “O Terceiro Passo” / “The Prestige” de Christopher Nolan, em que Bowie na figura do “inventor” Nikola Testa está mais uma vez magnifico no universo da magia, são outras películas em que podemos apreciar o seu trabalho como actor no cinema.


"Labyrinth"

Já a famosa saga “Artur e os Minimeus”/”Arthur and The Minimeus” de Luc Besson, conta com a voz de Bowie na personagem de Maltazard.
Essa voz inconfundível, que em conjunto com a sua música e as interpretações que nos deixou no universo da 7ª Arte, tornam David Bowie uma figura que permanece bem presente no meio de todos nós ou não estivéssemos neste preciso momento a escutá-lo em “Life on Mars”.

The End

Sem comentários:

Enviar um comentário