quinta-feira, 30 de junho de 2016

Agatha Christie – “Hercule Poirot"




Muitas vezes se diz que as palavras são como as cerejas, quanto mais se comem mais se gosta delas e muitas vezes o mesmo sucede com os livros, especialmente quando descobrimos no protagonista alguém que nos seduz e nos leva a querer ler mais sobre ele ou as suas aventuras no universo literário.

Como sou um ser humano com qualidades e defeitos, também eu tenho o meu herói favorito no universo literário e ele, ao contrário do que se poderia pensar, não é americano, nem francês, mas sim belga apesar de muitas vezes ser visto como “esse maldito francês bisbilhoteiro” ou “franciú” como alguns já lhe chamaram, incomodados com as suas investigações.


É verdade, estou a falar de Monsieu Hercule Poirot, esse genial detective belga criado por Agatha Christie e cujos livros já li e reli inúmeras vezes, para além de devorar com uma certa regularidade as adaptações televisivas que foram feitas das suas aventuras e que tiveram o actor britânico David Suchet, a encarnar o célebre detective (que recentemente escreveu um livro intitulado "Poirot and Me", cuja leitura desde já recomendo vivamente).

As aventuras do detective Hercule Porot são na verdade a minha saga (um termo muito em voga no sec. XXI) favorita, apesar de ter outras de que também gosto bastante, como é o caso do meu amigo Antrophos, criado por Lawerence Durrell. Mas regressando à minha "saga favorita", direi que ler as aventuras de Hercule Poirot é um prazer verdadeiramente sedutor, embora a escritora Agatha Christie não tivesse um grande amor por ele, apesar de terem sido os livros que o têm como protagonista os que lhe encheram a conta bancária.


Agatha Christie preferia Misss Marple a Hercule Poirot e em muitos dos livros se percebe que o enredo foi pensado sem ele e depois, por sugestão do editor, lá o introduziu, porque na verdade são as aventuras de Hercule Poirot os livros mais vendidos de Agatha Christie, que até decidiu matar o famoso detective para ninguém dar continuação às suas aventuras.

Mas a família da escritora não foi da mesma opinião e eis que surge nesse mercado editorial do séc. XXI outra entidade a escrever novas aventuras de Hercule Poirot. No entanto prefiro ler vezes sem conta as aventuras de Poirot pela mão de Agatha Christie do que escritas por outra pessoa, neste novo século em que vale tudo, um dia destes ainda vamos ter alguém a pintar Giocondas e muitos a pensarem que Leonardo da Vinci é um jovem italiano que usa modelos da Vogue nas suas telas.

4 comentários:

  1. Também adoro o Poirot, e também o prefiro à Miss Marple :) Personagem elegante, icónica e única, com tantas peculiaridades deliciosas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho lido e relido os livros de que Poirot é personagem sempre com o mesmo prazer e de todos os actores que deram vida ao personagem de Agatha Christie, o David Suchet é o meu preferido. E finalmente consegui adquirir a última temporada dos filmes, na minha village favorita.
      Obrigado pelo comentário e bom fim-de-semana.

      Eliminar
  2. Este é o "mestre" do crime, embora pouco amado pela sua criadora, já que a história que relata o seu fim foi escrita bem cedo!

    ResponderEliminar
  3. Grande verdade! Agatha não simpatizava com Poirot e por vezes em alguns livros até parece que ele surge por imposição dos editores, que sabem muito bem como o grande público adora este pequeno belga, cujo sucesso literário é transmitido de geração em geração.

    ResponderEliminar