quarta-feira, 4 de maio de 2016

Mark Lawrence - "Música e Letra" / "Music and Lyrics"


Mark Lawrence – "Música e Letra" / "Music and Lyrics"
(EUA – 2007) – (96 min. / Cor)
Hugh Grant, Drew Barrymore, Campbell Scott, Chris Riley, Haley Bennett.

”Música e Letra” / “Music and Lyrics” navega no género comédia romântica e revela-se um retrato bastante ácido e divertido sobre o rumo de duas gerações, musicalmente falando. Temos Hugh Grant em muito boa forma, para já não falar na surpresa da interpretação de Drew Barrymore.


Todos nós nos recordamos desse grupo chamado “Wham”, onde nasceu essa grande estrela da música pop chamada George Michael, mas poucos se recordam do seu colega Andrew Ridgeley, embora todos o conheçam desse “big hit” chamado “Last Christmas” ou ainda de "Wake Me Up (before you go-go)". Em “Música e Letra”, a personagem Alex Fletcher (Hugh Grant) é o outro rosto de uma banda chamada precisamente “Pop”, que viu o seu colega atingir o estrelato numa carreira a solo, enquanto ele ficava esquecido para sempre, arrastando-se numa vida sem horizontes, após o insucesso do seu disco a solo.


Vinte anos depois, o seu agente Chris Riley (Brad Garrett) surge com uma proposta de regresso à ribalta num programa de televisão do género "que é feito das estrelas esquecidas dos anos oitenta", mas após estudado o programa decidem não participar (embora passem por lá grupos como os “Frankie Goes to Hollywood” ou os “Flock of Seagull”, lembram-se deles?). Até que uma cantora pop, chamada Cora Corman (Haley Bennett), lhe pede para ele escrever uma canção para o seu próximo álbum, dando-lhe pouco menos de um dia para compor o tema tão desejado.


E aqui chegamos à questão sociológica da película, já que Cora Corman é o retrato de muitas estrelas pop que andam por aí, ela surge rodeada de misticismo, gosta do Dalai Lama, embora nem sequer saiba quem ele é na realidade. Aqui estamos bem longe da época de Carlos Santana e John McLaughlin e do seu “Love Devotion Surrender”, ou da carreira a solo de George Harrison lançada com o “My Sweet Lord” ou essa voz cândida chamada Melanie Safka. Temos aqui o retrato mordaz de uma certa pop que arrasta multidões e reparem bem que nunca sabemos os nomes dos músicos que as acompanham. Desta forma, Cora Corman em “Music and Lyrics” é um pouco um belo retrato de muita “boa gente” que anda por aí a arrastar as gerações mais novas e ganhando milhões na indústria discográfica.


Encontramos nesta película bem mordaz, de Mark Lawrence, um Hugh Grant em excelente forma, num magnifico retrato de quem pretende sobreviver no interior da selva. É certo que, enquanto estrela pop do passado, continua a ter as suas fans que adoram os seus movimentos de ancas, reflexo de Elvis Presley, mas elas são hoje todas mulheres casadas e mães de filhos, que bebem o elixir da juventude quando o encontram a actuar nos parques temáticos, sejam eles da Disney ou de outras entidades, enquanto os maridos aguardam que o regresso aos anos oitenta termine após a actuação de Alex Fletcher (Hugh Grant).


O problema da ex-estrela do grupo “Pop” é que não consegue escrever a tão desejada canção e será uma desconhecida, que lhe vai regar as plantas de sua casa, que lhe irá dar as dicas necessárias para a composição do tão desejado “hit”. A letra nasce então e a música com ela, mas quando vão assistir ao resultado final, o som melódico do piano foi substituído pelo “hip hop” e se Alex só pretende regressar ao meio que tão bem conhece, já Sophie Fischer (Drew Barrymore) não está nada interessada que lhe liquidem a sua canção, para além dos seus problemas pessoais com o seu professor de escrita criativa Sloan Cates (Campbell Scott), que se baseou nela para um romance de sucesso. E aqui Drew Barrymore dá cartas, compondo uma personagem cativante. Estão surpreendidos? Também nós! 


Já de Hugh Grant não podem dizer o mesmo porque ele é um excelente actor, que viu a sua carreira à beira do abismo, tudo por causa daquela célebre viagem de táxi, e que conseguiu sobreviveu ao jornalismo tablóide. Hugh Grant não é só um grande comediante, como nos revelou Mike Newell no seu “Quatro Casamentos e Um Funeral” / “Four Weddings and a Funeral “ ou o fabuloso solteirão de “About a Boy”, já para não falarmos na sua composição nos filmes de “Bridget Jones” ou “Notting Hill”. Ele é também um dos protagonistas de “Maurice” de James Ivory surgindo também no fabuloso “Os Despojos do Dia”, do americano que todos julgam inglês - James Ivory, ou o intérprete de “Lua de Mel, Lua de Fel” / “Bitter Moon” de Roman Polanski, para não falarmos nas suas composições em “Sensibilidade e Bom Senso” / “Sense and Sensibility” ou “Improptu” onde recria a figura de Chopin ao lado de Judy Davis.

Gostaríamos de referir também três filmes em que ele dá cartas, especialmente porque são pouco conhecidos e merecem ser descobertos: “An Awfully Big Adventure” ao lado de Alan Rickman, em que ele é o “dandy” encenador do grupo de teatro, o “Sereias” / ”Sirens” de John Duigan e essa obra de longo título “O Inglês que Subiu uma Colina e Desceu uma Montanha” / “The Englishman Who Went Up A Hill, But Came Down a Mountain” de Christopher Monger. Todos eles obras que nos oferecem uma outra faceta do actor.


Regressando a “Música e Letra” estamos perante uma comédia romântica que, ao contrário do que parece à primeira vista, não é nada oca e todas as personagens retratadas têm reflexos bem reais no mundo da pop, sejam elas de oitenta ou deste novo milénio. Pelo excelente trabalho dos actores, atenção à caracterização de Cora Corman feita por Haley Bennett e a toda uma galeria de secundários que nos faz rir e pensar um pouco, neste estranho mundo que nos rodeia.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Mark Lawrence o realizador de "Miss Detective", conseguiu surpreender-nos nesta deliciosa comédia.
      Obrigado pelo comentário.
      Beijinhos

      Eliminar