quarta-feira, 18 de maio de 2016

Kenny Wheeler – “Gnu High”


Kenny Wheeler
"Gnu High"
ECM Records

Kenny Wheeler é um dos mais importantes intérpretes do jazz na arte do fliscorne, também utilizando por vezes o trompete nas suas actuações e gravações discográficas. Este músico e compositor canadiano nasceu em Toronto em 1930 e partiu para Inglaterra em 1952, começando a dar nas vistas no célebre Festival de Jazz de Newport, um dos mais importantes Festivais do continente americano.

Ao longo da sua carreira percorreu caminhos tão diversos como o free-jazz e o jazz-rock, mas será na ECM, através do produtor Manfred Eicher, que irá impor o seu lirismo, ajudando a construir o célebre som da editora, o famoso jazz de câmara.


Em 1975, Kenny Wheeler grava para a ECM o álbum “Gnu High” em quarteto e convém dizer que este quarteto é de luxo, porque nele temos o pianista Keith Jarrett, o contrabaixo de Dave Holland e a bateria de Jack DeJohnette, três músicos que se conhecem muito bem, desde essa época em que os três participaram no colectivo de Miles Davis, que abriu novos caminhos ao jazz.

“Gnu High” inicia-se com o tema “Heyoke”, que preenche o lado A do álbum, onde ao longo dos seus 21’49’’ há espaço para todos eles nos oferecerem os seus solos magníficos, explorando de forma perfeita as atmosferas criadas pelo fliscorne de Kenny Wheeler.

Já “Smatter”, o curto tema seguinte, que abre o lado B do álbum, revela-nos uma bela composição melódica retratando de forma intensa a genialidade do músico, que lidera a formação, sendo todos os temas da autoria de Kenny Wheeler.


O álbum termina com a “Gnu Suite” onde, mais uma vez, a empatia entre os músicos é notória, nascendo o belo” swing” do fliscorne de Kenny Wheeler de forma intensa, num quente e caloroso convívio.

“Gnu High” de Kenny Wheeler espelha de forma perfeita a corrente jazzistica deste quarteto, que conjuga o intimismo e o “swing” com a improvisação, transformando este registo discográfico numa obra a escutar atentamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário