sexta-feira, 27 de maio de 2016

Fritz Lang - “As Aranhas” / “Die Spinnen”


Fritz Lang – "As Aranhas" / "Die Spinnen"
 (ALE – 1919/1920) – (221 min. – Mudo - P/B)
Carl De Volt, Lil Dagover, Ressel Orla, Georg John.

Fritz Lang é hoje em dia um nome incontornável na História do Cinema e quando, a encerrar a sua longa carreira, o cineasta decidiu realizar dois filmes de aventuras “Der Tiger von Eschnapu” e “Das Indische Grabmal” / “O Túmulo Índio”, muitos viram nisso uma espécie de regresso à sua obra inicial, em que os célebres “serial” possuíam uma atracção infinita junto das plateias de então. É inevitável encontrar-se uma certa associação com essa obra mágica, de início da sua carreira, intitulada “As Aranhas” / “Die Spinnen”, realizada no período mágico do cinema mudo, nesses longínquos anos de 1919/1920 e inicialmente intitulada “As Aventuras de Kay Hoog em Mundos Conhecidos e Desconhecidos”.


Desde muito cedo, as leituras dos romances juvenis ofereceram ao jovem Fritz Lang viagens incontáveis através de universos de mundos perdidos, apontando-se Jules Verne (este, bem nosso conhecido) e Joe May como escritores que irão decididamente influenciar o cineasta na escrita dos argumentos que irá criar para o cinema.

O argumento de “As Aranhas” / “Die Spinnen” é da sua total responsabilidade, já que nesse tempo ainda não conhecera a sua futura mulher e colaboradora: a célebre argumentista Thea Von Harbou, com quem irá assinar alguns dos mais espantosos argumentos do cinema mudo alemão, terminando essa frutuosa colaboração quando o cineasta decide abandonar a terra natal, optando Thea Von Harbou por permanecer na Alemanha.


Fritz Lang

Iremos assim acompanhar, ao longo de “Die Spinnen”, a luta que irá opor o célebre desportista Kay Hoog (Carl de Vogt) a essa poderosa organização secreta intitulada “As Aranhas”, que pretende apoderar-se das principais riquezas do mundo, para assim o manipular a seu belo prazer. Organização que se irá apresentar como uma espécie de embrião dessa outra organização bem mais famosa, criada pela pena da dupla Lang/Harbou, controlada pelo célebre “Dr. Mabuse”.

A luta entre Kay Hoog (Carl de Vogt) e o temível Lio Sha (Ressel Orla), líder da poderosa organização, irá conduzir-nos até ao mundo perdido dos Incas, passando pelas grandes Metrópoles (S. Francisco), terminando o duelo nas hoje famosas ilhas Falkland, devido ao conflito que opôs britânicos e argentinos.


Tal como será habitual na obra do cineasta (“Metropolis” e “A Mulher na Lua” são um bom exemplo), a figura feminina será um elemento determinante para o desenrolar vitorioso da luta do herói contra as forças do mal, tema tão em voga nos romances juvenis desses tempos passados, hoje em dia um pouco esquecidos.

A descoberta de “As Aranhas” / “Die Spinnen”de Fritz Lang (graças à edição em DVD), oferece-nos uma verdadeira iniciação ao universo do cineasta, nesse período do Mudo, em que o cinema arrastava multidões para o interior das salas de espectáculo em busca dessas emoções fortes que só a Sétima Arte podia proporcionar.

Sem comentários:

Enviar um comentário