segunda-feira, 11 de abril de 2016

Brian Eno & Jan Peter Schwalm – “Drawn From Life”


Brian Eno & Jan Peter Schwalm
"Drawn From Life"
Astralwerks / Virgin

Jan Peter Schwalm tem-se revelado um dos mais inventivos DJ da actualidade e, por isso mesmo, Brian Eno, o rei da Ambient Music, decidiu gravar com ele o duplo CD “Music For Onmvo-Ji”, utilizando apenas instrumentos tradicionais japoneses, criando uma obra única no género da Ambient Music.
De referir que este trabalho, composto por 20 faixas, foi gravado no Japão e consequentemente só possui distribuição japonesa, só podendo ser adquirido através da importação, a um preço superior ao habitual.


Brian Eno ficou tão satisfeito com o resultado musical obtido com “Music For Onmvo-Ji”, que decidiu gravar um novo trabalho com Jan Peter Schwalm, intitulado “Drawn From Life”, desta vez a explorar territórios mais familiares para todos nós.
Em “Drawn From Life”, Eno e Peter Schwalm afastam-se das atmosferas criadas na colaboração anterior e introduzem ritmos, em que o jazz e a electrónica andam de mãos dadas, ao mesmo tempo que descobrimos as célebres vocalizações de Laurie Anderson em algumas das faixas do disco, transformando decididamente este álbum, tal como sucedera quando Laurie Anderson colaborou com Jean-Michel Jarre, no soberbo “Zoolook”, um verdadeiro oásis no interior da obra do conhecido músico francês.


A forma como se estabelecem as diversas conjugações entre os ritmos instituídos e as secções de cordas, dando espaço a uma navegação tranquila e melódica, conduzem “Drawn From Life” a territórios até então por explorar, não se esquecendo Brian Eno de introduzir por duas vezes o célebre silêncio, perto do final do álbum, criando esse famigerado espaço para a meditação.
Será sempre de referir, como curiosidade, o contributo das duas filhas de Brian Eno, duas crianças que certamente irão dar que falar, na faixa “Bloom” dando espaço à introdução de um certo ambiente doméstico, por onde se irá desenvolver a música de Eno e Peter Schwalm.


“Drawn From Life”, de Brian Eno e Jan Peter Schwalm, revela-nos a permanente evolução em que a Ambient Music se encontra, sempre em busca de novos territórios, mas mantendo-se bem ancorada aos princípios minimais que a norteiam. Estamos assim perante mais um disco surpreendente da Ambient Music.

Sem comentários:

Enviar um comentário