quinta-feira, 13 de abril de 2017

Henry Hathaway – “O Príncipe Valente” / “Price Valiant”


Henry Hathaway – “O Príncipe Valente” / “Price Valiant”
(EUA – 1954) – (100 min / Cor)
James Mason, Janet Leigh, Robert Wagner, Sterling Hayden, Victor McLaglen, Donald Crisp.
Debra Paget, Brian Aherne.


Em criança tinha uma enorme paixão pela banda desenhada e recordo-me de aos domingos descer a rua do Alecrim, em Lisboa, para ir ao Cais do Sodré comprar o jornal “Primeiro de Janeiro”, sendo o motivo todos os domingos serem ali publicadas as aventuras do “Príncipe Valente”, nascido através da pena desse mago da banda desenhada chamado Hal Foster.


Por esta simples razão, foi com enorme expectativa que me encontrei pela primeira vez com o “Príncipe Valente” no cinema, muitos anos depois. O cineasta era uma referência forte, já que Henry Hathway era um dos cineastas que encontrara no grande écran ao longo da minha adolescência e que nunca me deixou insatisfeito, se por um lado tínhamos “Niagara”, por outro havia esse mítico “A Conquista do Oeste” / “How The West Was Won”, passando pela “Velha Raposa” / “True Grit” ou o “Nevada Smith”, para já não falarmos no “Peter Ibbetson” / “Sonho Eterno” ou nesse enorme sucesso chamado “Lanceiros da India” / ´”The Lives of Bengal Lancer”, mas o que nos interessa aqui em concreto é esse “swashbuckler” chamado “Príncipe Valente”.


Todos os que leram as aventuras criadas por Hal Foster se recordam que a história se passa nessa época de brumas onde existia um reino chamado Camelot e um conjunto de Cavaleiros que se reuniam à volta de uma mesa chamada Távola Redonda, tendo Arthur como Rei. O argumento escrito por Dudley Nichols (fixem este nome) inicia-se precisamente com a partida de Príncipe Valente do castelo onde vivem exilados os seus pais, a caminho do castelo do Rei Arthur.


Na sua caminhada ele irá cruzar-se com Sir Gawain (Sterling Hayden, mais conhecido de todos como o Johnny Guitar de Nicholas Ray), indo tornar-se seu escudeiro e, através dele, irá conhecer esse mundo dos torneios medievais onde as mãos das damas eram muitas vezes oferecidas aos cavaleiros vencedores. Será aqui que iremos encontrar esse belo vilão chamado Sir Brack (James Mason), irmão bastardo do Rei Arthur, que ambiciona apoderar-se do trono ao mesmo tempo que lhe presta a maior das vassalagens.


E nunca como aqui a personagem do vilão assentou como uma luva na figura de James Mason, que mais uma vez nos oferece uma personagem fabulosa, porque ele é também esse Black Knight que prepara o ataque a Camelot, aliado à armada viking. Mas antes teremos as intrigas palacianas e as paixões dignas da época medieval, onde o amor era sussurrado através de véus que escondiam o rosto das damas e os juramentos de fidelidade dados pelos cavaleiros eram levados até às últimas consequências. No meio deste mundo move-se o Príncipe Valente (Robert Wagner, a dar os primeiros passos no cinema).

Hal Foster, o criador
da célebre banda desenhada.

Ao construir o filme, Henry Hathaway jurou uma espécie de fidelidade à banda desenhada de Hal Foster e isso é bem patente, não só na forma como se expande todo o filme, como nas sequências da batalha e dos duelos, com particular destaque para esse duelo final entre o Príncipe Valente e Sir Drake, após este ter sido desmascarado e provada a sua outra identidade, a do tal cavaleiro misterioso que pretendia tomar de assalto o Reino de Camelot. Alguns viram neste Black Knihgt a figura onde George Lucas se foi inspirar para criar o seu Darth Vader.


Quando falamos neste reino das brumas, criado algures no tempo, com os seus mitos, fadas e bruxas, cavaleiros e damas do lago, somos sempre obrigados a olhar para essa obra espantosa criada por John Boorman e intitulada “Excalibur”, porém chegou o momento de olharmos um pouco para a história do cinema e recuperar este “Príncipe Valente”, nascido da mão de Henry Hathaway e Hal Foster, (*)

Henry Hathaway, o cineasta que navegou 
em todos os géneros cinematográficos.

(*) – Em 1997 Anthony Hickox realizou uma nova versão de “Prince Valiant” com Stephen Moyer e Katherine Heigl a vestirem a pele de Príncipe Valente e da Princesa Ilene. Comparando esta com a dupla Janet Leigh e Robert Wagner, somos obrigados a preferir sempre os “originais”.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. A banda desenhada de Hal Foster e o seu Príncipe Valente receberam uma magnifica homenagem de Hollywood pela mão sábia de Henry Hathaway.
      Muito bom dia!

      Eliminar