sexta-feira, 10 de março de 2017

Lawrence Kasdan – “O Turista Acidental” / “The Accidental Tourist”


Lawrence Kasdan – “O Turista Acidental” / “The Accidental Tourist”
(EUA – 1988) – (121 min. / Cor)
William Hurt, Kathleen Turner, Geena Davis, Amy Wright, Bill Pullman.

Quando se fala de obras literárias adaptadas ao cinema, um livro de imediato surge na minha memória, a sua autora chama-se Anne Tyler e na época tornou-se um sucesso de vendas no mundo inteiro, estamos a falar como já deve ter percebido de “O Turista Acidental”.
Depois foi a inevitável adaptação cinematográfica e qual não foi o meu espanto, cansado de ler romances adaptados ao cinema inevitavelmente adulterados, ao verificar que nem uma linha foi alterada.


A obra da americana Anne Tyler é reproduzida fielmente ao grande écran por Lawrence Kasdan / Frank Galati. Curiosamente, alguns anos depois de me ter apaixonado por este livro/filme, ao entrar na livraria da Barnes & Nobles em Santa Mónica, encontro um daqueles sacos então na moda, para transportar livros, com o rosto de Anne Tyler e de imediato me recordei do trio de “O Turista Acidental”, constituído por William Hurt, Kathleen Turner e Geena Davis, acabando por comprar a edição americana do livro, já que a edição portuguesa, de tão lida, poucas eram as folhas que ainda se encontravam coladas e, passadas duas décadas, continuo apaixonado por este romance brilhantemente adaptado ao cinema.


 “O Turista Acidental” / “The Accidental Tourist” é uma das mais comoventes histórias de amor que o cinema nos ofereceu, em que a perda de um filho acaba por levar ao esquecimento do amor que unia o casal Leary (William Hurt e Kathleen Turner), com a consequente separação, refugiada na desculpa de se precisar de colocar as ideias em dia e quem sabe recomeçar uma nova vida.
Macon Leary (William Hurt) escreve guias de viagens, daí o nome “Turista Acidental”, tendo até o seu editor, o solteirão Julian (Bill Pullman), criado um logótipo para os seus livros de viagens: um sofá com asas. E como veremos logo no início do filme os seus livros são um sucesso, devido aos conselhos que dá a todos aqueles que viajam.


Macon vive numa daquelas casas tipicamente americanas, demasiado grande para um homem só, apesar de ainda possuir a companhia do cão, que o filho tanto amava, um animal que desde a morte da criança possui crises de “mau humor”, ladrando e mordendo a quem se aproxima dele. Até que chega esse dia em que terá de partir para Londres, para escrever mais um dos seus famosos guias, vendo-se obrigado a deixar o seu cão ao cuidado do “Miau-Béubéu”, onde conhece a treinadora de cães Muriel Prichett (Geena Davis), que irá alterar decididamente o seu sentido na vida.
Ao regressar da viagem a Londres, decide contratar Muriel para treinar o cão, de forma a torná-lo obediente e dócil. Mas Muriel, que não tem papas na língua e não esconde os sentimentos, tem um filho que sofre de diversas alergias, no qual Macon começa a rever o seu filho, morto por um lunático com um tiro na cabeça, quando saía de um MacDonald’s.


Muriel abre-lhe as portas do seu pequeno mundo, oferecendo-lhe um novo rumo de vida tão diferente e distante daquele em que ele sempre vivera, mas quando Sarah (Kathleen Turner) surge no casamento de Rose (a irmã de Macon) e Julian (o editor de Macon), bela e sensual, ele termina por regressar a um passado (in)seguro, abandonando a mulher que lhe tinha eliminado a solidão da sua vida, acarinhando-o sempre, com toda a ternura do mundo. Mas Muriel não está disposta a perder o único homem que amou na vida e decide lutar por ele, seguindo-o até Paris, a famosa cidade das luzes, onde tudo fará para recuperar o amor perdido de Macon Leary.
Lawrence Kasdan assina com esta película um dos mais belos melodramas da história do cinema. E se pensarmos em cineastas como Douglas Sirk e John Sthal, dois dos nomes mais famosos do género, só poderemos concluir que se eles regressassem à terra, certamente iriam adaptar ao cinema esta apaixonante obra de Anne Tyler. 


4 comentários:

  1. Um filme que já vi há muito tempo, mas lembro-me de que gostei. Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dos meus filmes favoritos, tal como o livro de Anne tyler, que também recomendo.
      Muito bom domingo!

      Eliminar
  2. Adoro este filme e tenho que reler o livro. Numa próxima viagem de avião vou fazer tal e qual os conselhos dele!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui está uma óptima leitura para uma viagem de avião, fazendovotos que ao contrário de Macon, se consiga salvar do passageiro do lado que deseja conversar "um pouco":)

      Eliminar