quinta-feira, 16 de março de 2017

James L. Brooks – “Melhor é Impossível” / “As Good As It Gets”


James L. Brooks – “Melhor é Impossível” / “As Good As It Gets”
(EUA – 1997) – (139 min. / Cor)
Jack Nicholson, Helen Hunt, Greg Kinear, Cuba Gooding Jr. Shirley Knight, Harold Ramis.



James L. Brooks é o homem dos sete ofícios ou seja cineasta, produtor, argumentista, actor e muito mais, ele até bateu aquele recorde dos Emmys, ao tornar-se a individualidade a arrecadar até à presente data, nada menos que 19 Emmys!!!
Temos que concordar que na verdade é um grande feito, ele que é o produtor dos “Simpson”, tem-nos oferecido obras no cinema que merecem um olhar atento. Ele, como ninguém, conhece os meandros do pequeno écran e um dia deu-nos essa obra espantosa e implacável com o mundo televisivo, intitulada “Edição Especial” / “Broadcast News”, onde pela primeira vez encontrámos Holly Hunter ao lado de William Hurt, cuja simbiose foi profunda, ao mesmo tempo que o cineasta nos oferecia um retrato bastante negro dos Média.


Recorde-se que James L. Brooks ficou conhecido de todos quando assinou a realização de “Laços de Ternura” / “Terms of Endearment”, onde descobríamos a sua visão do território do melodrama, saindo-se, aliás, muito bem dessa aventura, para além de contar com um naipe de actores que nunca deixam os seus créditos por mãos alheias, como é o caso de Jack Nicholson, Shirley MacLaine, Debra Winger e Jeff Daniels.
Já a sua terceira aventura no cinema intitulada “I’ll Do Anything” é um retrato ácido do mundo do cinema, com um actor desempregado a lutar pela vida nos castings, um Nick Nolte espantoso, que nunca verá a luz ao fundo do túnel e que acabará por se resignar a ser o pai da sua pequena filha que acabou por ultrapassá-lo numa sessão de casting, tornando-se uma verdadeira estrela. Obra desencantada e dolorosa, esta película merece ser reavaliada.


Após este insucesso, James L. Brooks atira-se a um argumento que vai dar frutos de um gosto muito especial e ao criar a figura do escritor Melvin Udall, irá proporcionar a Jack Nicholson uma personagem que ele irá desempenhar como peixe na água.
Melvin Udall é um escritor de enorme sucesso, tendo já escrito 62 romances de grande êxito junto do público feminino, mas a sua relação com as pessoas e o mundo não é a melhor, porque ele não só é profundamente machista, racista e homofóbico, como também maníaco.
E as festas do seu vizinho Simon (Greg Kinnear), com os amigos da comunidade gay, revelam-se um verdadeiro tormento para o escritor. Quando o apartamento de Simon é vandalizado e ele brutalmente agredido, Melvin Udall irá dar, sem saber, uma oportunidade a si mesmo ao decidir tomar conta do pequeno cão do vizinho pintor, porque esse pequeno intruso no seu universo, chamado Verdell, irá alterar o seu quotidiano, como veremos.


No início a desconfiança é mútua mas, a pouco e pouco, o melhor amigo do homem consegue ultrapassar o receio de Melvin Udall e o turbulento escritor começa a olhar o mundo de forma diferente, especialmente quando Carol (Helen Hunt) mete baixa e não está no restaurante para o servir, o que lhe perturba todo o quotidiano. Ele encara a situação como a maior tragédia da sua vida e depois de descobrir o local onde ela vive com a mãe e o filho, envia-lhes o seu médico particular (Harold Ramis) para tratar do problema de saúde do filho de Carol, assumindo todas as despesas. Nasce desta forma uma rua estreita para uma relação entre Carol e Melvin. Mas ao longo do filme a evolução dessa mesma relação desagua num beco sem saída, porque Melvin Udall consegue sempre dizer a frase errada no momento errado, como veremos nesse famoso jantar com Carol, em que este lhe tenta fazer a corte.


James L. Brooks oferece-nos ao longo do filme momentos únicos no território da comédia, numa verdadeira montagem de situações e diálogos, onde como todos sabemos existem sempre as buchas de Jack Nicholson, mas o que encontramos em “Melhor é Impossível” é um retrato profundo sobre as relações humanas, apesar dele surgir no território da comédia e nunca é demais lembrar como esse génio chamado Billy Wilder nos ensinou isso mesmo em “O Apartamento”. Repare-se na forma como a relação de Melvin e Simon evolui ao longo do filme, com o escritor já na parte final a pedir conselhos sobre a forma como há-de lidar com a mulher que ama; a maneira como os amigos de Simon, sempre presentes nas suas festas, se afastam do seu universo, mal sabem que ele se encontra falido; a complexa relação de Simon com os pais devido às suas opções sexuais; a relação mãe e filha, ou seja Carol e Beverly (Shirley Knight, em tempos companheira de Jack Nicholson na vida real) e a maneira diferente como ambas encaram os sentimentos do inconstante Melvin Udall.


Ao longo do filme James L. Brooks consegue tirar o melhor de Jack Nicholson, sendo extremamente curioso o encontro de Melvin Udall com o psicanalista (o cineasta Lawrence Kasdan, numa breve aparição).
Já Greg Kinear, cuja interpretação é também extraordinária na pele do pintor gay, consegue oferecer ao personagem momentos únicos no filme, desde a sua convalescença no hospital até nascer esse momento mágico em que retoma o desenho e usa Carol como modelo, para grande desespero de Melvin.
Por seu lado Helen Hunt consegue dar uma tal intensidade à personagem de Carol, que nos deixa a todos fascinados e comovidos, sempre em permanente conflito entre o amor que dedica ao filho e a sua luta na difícil arte de amar Melvin Udall. E será sempre curioso referir que o pequeno cão de Simon termina por ser a única personagem que consegue compreender o neurótico escritor.


James L. Brooks oferece-nos uma película cuja sabedoria nasce no argumento, para depois nos oferecer o maravilhoso talento dos protagonistas de “Melhor é Impossível”, que acabaria por dar a Jack Nicholson e Helen Hunt os respectivos Oscars de Melhor Actor e Melhor Actriz e já agora nunca é demais dizer que o Óscar de Melhor Actor Secundário até ficava muito bem entregue a Greg Kinnear, infelizmente a Academia não pensou dessa forma.
Apesar da passagem do tempo, “As Good As It Gets” continua a maravilhar-nos com a sua Magia, neste poderoso retrato das relações entre seres humanas. E como todos sabemos, nada melhor que a comédia para falar de assuntos sérios e nos oferecer, num sorriso, o verdadeiro estado do mundo.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. E a personagem criada por Jack Nicholson , o célebre Mister Udall, não ficou colada ao actor, o que demonstra mais uma vez que estamos perante um dos maiores actores da História do Cinema!

      Eliminar
  2. Um dos meus filmes preferidos, de sempre. Boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que na primeira semana da sua exibição em Portugal, vi o filme três vezes na sala de cinema, já em dvd perdi-lhe a conta:)
      Boa Tarde!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Uma das minhas comédias favoritas, que nos oferece interpretações inesquecíveis.
      Boa noite!

      Eliminar