sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Eric Rohmer – “Os Encontros de Paris” / “Les Rendez-Vous de Paris”


Eric Rohmer – “Os Encontros de Paris” / “Les Rendez-Vous de Paris”
(França – 1995) – (94 min. / Cor)
Clara Bellar, Antoine Basler, Mathias Mégard, Judith Chancel.

A cidade de Paris já por diversas vezes serviu de tema ao Cinema e basta recordar “Paris Vu Par” ou “Paris Je T’Aime”, para percebermos como a maravilhosa cidade das luzes é uma perfeita intérprete de Cinema. Desta feita o conhecido cineasta francês Eric Rohmer, que na época contava a bonita idade de setenta e cinco anos, decidiu oferecer à cidade de Paris o magnífico filme “Os Encontros de Paris” / “Les Rendez-Vous de Paris”, contando-nos três histórias de encontros, em que mais uma vez os diálogos nos surgem como elemento preponderante do filme, ao mesmo tempo que as suas personagens percorrem as ruas de Paris.


No primeiro segmento, intitulado “O Encontro das 7 Horas”, iremos conhecer Esther que pensa que o seu namorado a engana e a sua amiga Hermione sugere-lhe que ela lhe faça ciúmes e esta decide colocar o seu plano em acção mas, como não podia deixar de ser, uma série de coincidências irá alterar os planos delineados, revelando algumas difíceis surpresas para os protagonistas.


Já na segunda história ou conto se preferirem, denominado “Os Bancos de Paris”, iremos descobrir esse famoso dilema que se apossa dos apaixonados, quando um deles percebe que o amor se ausentou para sempre, transformando a relação numa simples rotina que se pretende terminar, mas não se tem forças para isso. E quando, como sucede com a jovem, que até possui um admirador na figura de um professor cativante, tudo se torna ainda mais complicado. Mas como nesse fim-de-semana ela irá estar sozinha, decide ir com o professor para um hotel e vestirem ambos a pele de turistas, porém quando se encaminham para o hotel, uma surpresa aguarda a jovem, alterando os seus desejos.


Em “Mãe e Filho, 1907” Eric Rohmer aborda o universo da pintura, tantas vezes fruto da atenção do seu cinema, já que o título do segmento evoca um famoso quadro de Pablo Picasso. Um jovem pintor aguarda na sua casa a visita de uma rapariga sueca, conhecida de uma amiga, para ir com ela visitar o famoso Museu Picasso, mas ao conhecê-la percebe que ao contrário do que esperava não é cativado por ela e durante a visita ao Museu fica fascinado por uma outra jovem que por ali se encontra, tomando diversos apontamentos. Decide então deixar a turista sueca e alegando trabalho segue a jovem desconhecida, abordando-a na rua de forma simpática, terminando por a convidar para ir até ao seu atelier, para lhe mostrar a sua obra em gestação.


Mais uma vez Eric Rohmer nos revela um saber único e uma juventude acerca das relações humanas, transformando o conhecido “flirt” numa verdadeira personagem deste “Les Rendez-vous de Paris”, enquanto o habitual naturalismo dos diálogos nos revela a magia da escrita do cineasta, ao mesmo tempo que a sua câmara de filmar percorre diversos lugares de Paris bem conhecidos de todos nós.

“Os Encontros de Paris”, para além de nos oferecerem um belo olhar sobre a capital francesa, mergulham de forma soberba no desejo das diversas personagens, transformando este filme numa magnífica carta de amor à cidade de Paris.

Sem comentários:

Enviar um comentário